Avaliação Nacional da Alfabetização em Matemática (ANA): relações com a formação de professores do PNAIC e o currículo dos anos iniciais do Ensino Fundamental

Autores

  • Alessandro Alves Machado Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Ponta Grossa, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5108-9015
  • Mary Ângela Teixeira Brandalise Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Programa de Pós-Graduação em Educação, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e de Matemática, Ponta Grossa, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3674-5314
  • João Carlos Pereira de Moraes Universidade Federal do Pampa - Campus Jaguarão (UNIPAMPA), Programa de Pós-Graduação em Educação (UNIPAMPA), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e de Matemática (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0001-9513-018X

DOI:

https://doi.org/10.35819/remat2021v7i1id4575

Palavras-chave:

Avaliação Nacional da Alfabetização, PNAIC, Anos Iniciais do Ensino Fundamental, Currículo, Matemática

Resumo

Este artigo objetiva analisar os resultados da Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) de Matemática e suas possíveis relações com o currículo dos anos iniciais e a formação dos professores alfabetizadores, realizada no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) no município de Ivaiporã, Paraná. Trata-se de um estudo descritivo com base documental a partir do currículo de Matemática dos Parâmetros Curriculares Nacionais, das Diretrizes Curriculares para o Ensino Fundamental, da Matriz de Referência de Matemática da ANA, da formação de Matemática do PNAIC e dos resultados dos índices alcançados na ANA no âmbito municipal, estadual e federal. Buscou-se, em Sacristán (1998, 2000), a compreensão dos processos de desenvolvimento curricular com base nos níveis de objetivação curricular: currículo prescrito, apresentado aos professores, em ação, realizado e avaliado. Os resultados analisados apresentam oscilações nos índices alcançados em âmbito municipal, mas com melhores resultados em comparação aos níveis estadual e federal, indicando que há indícios de que a formação em Matemática realizada pelos professores municipais no PNAIC pode ter contribuído sobremaneira para a qualificação das práticas docentes e da aprendizagem dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandro Alves Machado, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Ponta Grossa, PR, Brasil

Mary Ângela Teixeira Brandalise, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Programa de Pós-Graduação em Educação, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e de Matemática, Ponta Grossa, PR, Brasil

João Carlos Pereira de Moraes, Universidade Federal do Pampa - Campus Jaguarão (UNIPAMPA), Programa de Pós-Graduação em Educação (UNIPAMPA), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e de Matemática (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil

Referências

BONAMINO, A.; SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da Educação Básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 373-388, abr./jun. 2012. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022012005000006.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: formação do professor alfabetizador, caderno de apresentação. Brasília: MEC/SEB, 2012a.

BRASIL. Portaria Nº 867, de 4 de julho de 2012. Institui o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e as ações do Pacto e define suas diretrizes gerais. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 129, p. 22-23, 5 jul. 2012b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º anos) do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEB, 2012c.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA): documento básico. Brasília: MEC/INEP, 2013a.

BRASIL. Portaria Nº 482, de 7 de junho de 2013. Dispõe sobre o Sistema de Avaliação da Educação Básica - SAEB. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 109, p. 17, 10 jun. 2013b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa: Apresentação. Brasília: MEC/SEB, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Avaliação Nacional da Alfabetização: relatório 2013-2014: análise dos resultados. Volume 2. Brasília, DF: INEP, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório SAEB/ANA 2016: panorama do Brasil e dos estados. Brasília: MEC/INEP, 2018.

BRASIL. Portaria Nº 366, de 29 de abril de 2019. Estabelece as diretrizes de realização do Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB) no ano de 2019. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 83, p. 47, 2 maio 2019.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Provinha Brasil. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/provinha-brasil. Acesso em: 28 dez. 2020.

GODOY, E. V. Currículo, cultura e educação matemática: uma aproximação possível? Campinas: Papirus, 2016.

HYPÓLITO, Á. M.; LEITE, M. C. L. Modos de gestão e políticas de avaliação: entre o gerencialismo e a democracia. In: WERLE, F. O. C. (Org.). Avaliação em larga escala: questões polêmicas. Brasília: Liber Livro, 2012. p. 135-152.

IMBERNÓN, F. M. A formação de professores e o desenvolvimento do currículo. In: SACRISTÁN, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 494-507.

KAILER, E. Z.; PRESANIUK, A.; BARBOSA, B. V. Avaliação em larga escala. In: BRANDALISE, M. Â. T. (Org.). Avaliação educacional: interfaces de conceitos, termos e perspectivas. Ponta Grossa: UEPG, 2020. p. 113-120.

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MOREIRA, A. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 1995.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. da. (Org.). Currículo: questões atuais. Campinas: Papirus, 1997.

PIRES, C. M. C. Currículo, avaliação e aprendizagem matemática na Educação Básica. Brasília: INEP, 2014.

PIRES, C. M. C. Formulações basilares e reflexões sobre a inserção da Matemática no currículo, visando a superação do binômio máquina e produtividade. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 29-61, 2004. Diponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/4688. Acesso em: 4 fev. 2021.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SACRISTÁN, J. G. Poderes instáveis em educação. Tradução de Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1999.

SACRISTÁN, J. G. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SACRISTÁN, J. G. O que significa currículo? In: SACRISTÁN, J. G. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 19-35.

Downloads

Publicado

2021-02-08

Como Citar

MACHADO, A. A.; BRANDALISE, M. ÂNGELA T.; MORAES, J. C. P. DE. Avaliação Nacional da Alfabetização em Matemática (ANA): relações com a formação de professores do PNAIC e o currículo dos anos iniciais do Ensino Fundamental. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, v. 7, n. 1, p. e2003, 8 fev. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática