Modelagem Matemática de problemas logísticos: discutindo o processo de entrega de urnas para eleição de Reitor do IFES

  • Lauro Chagas e Sá Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES), Coordenadoria de Logística, Viana, ES
  • Lara Sossai Corrêa da Costa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES), Coordenadoria de Logística, Viana, ES
  • Bruna Zution Dalle Prane Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES), Coordenadoria de Matemática, Vitória, ES
Palavras-chave: Pesquisa Operacional, Teoria de Grafos, Modelagem Matemática, Teoria da Atividade

Resumo

O presente trabalho insere-se nos estudos sobre integração de componentes curriculares da Educação Profissional, a partir de estudos em Pesquisa Operacional, segundo a Teoria da Atividade de Leontiev (1978). Neste texto, o objetivo foi analisar um estudo de caso denominado “Entrega das urnas para Eleição de Reitor do IFES”. O campo de investigação foi a disciplina de Pesquisa Operacional Aplicada à Logística, ofertada no Curso Superior de Tecnologia em Logística do IFES – Campus Viana, em 2017. Durante a disciplina, foi abordado o conteúdo de grafos, associado à logística. Para resolução dos problemas, os alunos dividiram-se em grupos e receberam fichas-contexto e uma tarefa a modelar. Optamos pela Modelagem Matemática porque a vemos como aliada da Educação Profissional. Ao analisar as produções, verificamos que alguns grupos entregaram trabalhos observando apenas a entrega das urnas, enquanto outros consideraram fatores externos, como jornada de trabalho dos servidores etc. Ou seja, por mais que os alunos tenham recebido o mesmo material didático e desenvolvido as mesmas tarefas, houve diferentes estratégias de resolução para a mesma atividade. Um dos fatores que está relacionado a essa intensidade de envolvimento na atividade é a motivação interna, influenciada pelo contexto histórico-cultural do sujeito (LEONTIEV, 1978). Com isso, concluímos que essa experiência apontou para um ensino emancipador, pois, a partir de um tema não-matemático, os alunos formularam e resolveram problemas, sendo responsáveis pela coleta de informações, simplificação das situações e realização da modelagem. Assim, esperamos que, com a emancipação dos alunos, alcancemos a emancipação de toda a classe trabalhadora (SAVIANI, 2017).

Biografia do Autor

Lauro Chagas e Sá, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES), Coordenadoria de Logística, Viana, ES
Licenciado em Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo - Ifes, especialista em Tecnologia Educacional pelo Instituto Superior de Educação de Afonso Cláudio e Mestre em Educação em Ciências e Matemática pelo Ifes. É professor efetivo do Ifes, atuando no campus Vila Velha. Também é professor e orientador nos Cursos de Especialização em Educação (Ifes/Cariacica) e em Ensino de Matemática (SEAD/Ufes). É filiado à Sociedade Brasileira de Educação Matemática (SBEM), tendo atuado na diretoria regional da SBEM Espírito Santo (2012-2015 e 2015-2016) e na Diretoria Nacional (2016-2019). Lidera o EMEP - Grupo de Pesquisa Educação Matemática e Educação Profissional e participa do Grupo de Trabalho 2 da SBEM - Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio. Tem experiência na área de Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino Médio, Educação Profissional, Feiras de Matemática, Teoria de Grafos e Formação de Professores.
Lara Sossai Corrêa da Costa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES), Coordenadoria de Logística, Viana, ES
Possui graduação em Engenharia Ambiental, Pós graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho e em Educação Ambiental. Atualmente é gerente de Sustentabilidade na Agrotech Ltda, ministra aulas para o curso técnico em Segurança do Trabalho no SENAC e cursa Tecnólogo em Logística pelo IFES. Tem experiência na área de Ciências Ambientais, com ênfase para trabalhos de licenciamento ambiental e projetos de controle ambiental. Experiência em trabalhos com comunidade e publico em geral, no acompanhamento de audiências publicas e trabalhos voluntários relacionados ao meio ambiente. Realização de auditorias internas regulares em QSMS e acompanhamento de auditorias externas de qualidade ? ISO 9001:2008. Conselheira de Meio Ambiente na PMV ? Vitoria. e Conselho de Educação Ambiental de Vitoria alem de apresentadora do programa de radio "Gestão de Águas na Construção Civil" pela radio Gotais.
Bruna Zution Dalle Prane, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES), Coordenadoria de Matemática, Vitória, ES
Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES, 2010), pós-graduada em Educação Inclusiva e Diversidade pelo Centro de Estudos Avançados em Pós-Graduação e Pesquisas (CESAP) e Mestre em Educação, linha de Educação em Ciências e Matemática, pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É membro do Grupo de Pesquisa em Educação Matemática e Cultura. . Já atuou como professora do Ensino Fundamental II e Médio, bem como do Ensino Superior.

Referências

ALMEIDA, L. M. W. de; BRITO, D. dos S. Atividades de Modelagem Matemática: que sentido os alunos podem lhe atribuir? Ciência & Educação, v. 11, n. 3, p. 483-498, 2005.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. Referências de conteúdos da engenharia de produção. Disponível em: http://www.abepro.org.br/arquivos/websites/1/%C3%81reas%20da%20Engenharia%20de%20Produ%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 12 out. 2011.

BARBOSA, J. C. Modelagem matemática: O que é? Por quê? Como?. Veritati, Salvador/BA, n. 4, p. 73-80, 2004.

BENITO, R. C. V.; SILVEIRA, C. A.; LAVRATTI, F. B. A otimização da logística de distribuição como diferencial competitivo. In: Mercolog. Porto Alegre/RS, 2004.

BOAVENTURA NETTO, P. O. Grafos: teoria, modelos, algoritmos. 5. ed. Edgard Blücher, 2006.

CHALRÉO, F. Teoria dos Grafos e análise de redes. 2016. Disponível em: http://www.ilos.com.br/web/teoria-dos-grafos-e-analise-de-redes/. Acesso em: 05 jun. 2018.

FERRUZZI, E. C. A Modelagem Matemática como estratégia de ensino e aprendizagem do cálculo diferencial e integral nos cursos superiores de tecnologia. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção e Sistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOLDBARG, M. C.; LUNA, H. P. L. Otimização combinatória e programação linear. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2005.

GOLDER, M. (Org.). Leontiev e a Psicologia Histórico-Cultural – um homem em seu tempo. São Paulo: Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Atividade Pedagógica; Xamã. 2002.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte, 1978.

MOREIRA, D. A. Pesquisa Operacional: curso introdutório. São Paulo, SP: Tompson Learning, 2007.

SAVIANI, D. Prefácio. In: SÁ, L. C. e. Práticas pedagógicas na Educação Profissional: experiências em cursos técnicos integrados ao ensino médio. Vitória, ES: Edifes, 2017. Disponível em: http://edifes.ifes.edu.br/images/stories/praticas_pedagogicas.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

SILVEIRA, J. C.; RIBAS, J. L. D. Discussões sobre Modelagem Matemática e o ensino-aprendizagem. 2004. Disponível em: http://www.somatematica.com.br/artigos/a8. Acesso em: 25 mar. 2004.

UHLMANN, E. A. Teoria dos Grafos: da teoria à aplicação computacional. Guarulhos: Instituto Siegen, 2017.

YANASSE, H. H.; ARENALES, M.; MORABITO, R.; ARMENTANO, V. A. Pesquisa Operacional. 2. ed. Elsevier, 2015.

WILDE, D. J.; BEIGHTLER, C. S. Foundations of Optimization. Prentice Hall Inc., Upper Saddle River, 1967.

Publicado
2019-01-01
Seção
Ensino de Matemática