Reflexões da prática docente por meio da pesquisa-ação: a Educação Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental

  • Andrieli Taís Hahn Rodrigues Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação nas Ciências, Ijuí, RS
  • Amanda Denes Colégio Dom Hermeto, Três de Maio, RS
  • Rúbia Emmel Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha, Campus Santa Rosa, Santa Rosa, RS
Palavras-chave: Educação Matemática, Pesquisa-Ação, Anos Iniciais

Resumo

Esta pesquisa teve o objetivo de compreender o ensino de Matemática nos anos iniciais em uma Escola Municipal de Ensino Fundamental. Utilizou-se como metodologia a pesquisa-ação, que permitiu investigar as metodologias de ensino utilizadas pelos professores, possibilitando posteriormente, uma prática com a participação dos alunos de uma turma do segundo ano do Ensino Fundamental. Por meio da pesquisa-ação refletiu-se sobre a prática docente, seguindo as etapas de observação, planejamento e intervenção do ensino de Matemática. A análise dos resultados evidenciou que nos anos iniciais se requer a utilização do lúdico, ambientes diferenciados e equipados com materiais concretos, qualificando os processos de ensino e de aprendizagem em Educação Matemática. Portanto, esta pesquisa possibilitou uma compreensão maior sobre o ensino da Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental, contribuindo para a aprendizagem dos alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrieli Taís Hahn Rodrigues, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ), Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação nas Ciências, Ijuí, RS
Mestranda no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ). Graduada no Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia da Faculdade Três de Maio (SETREM). Atuou como bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID / CAPES). Atuou como atendente de creche II, na Escola Municipal de Educação Infantil Mundo Encantado de Nova Candelária, RS. Monitora de Educação Infantil na Sociedade Educacional Três de Maio (SETREM). Atualmente é Professora de Educação Infantil no Colégio Dom Hermeto, em Três de Maio, RS. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino Fundamental- anos iniciais, Educação Infantil. ensino da matemática, novas metodologias, aluno, expressão corporal e relação aluno/professor. 
Amanda Denes, Colégio Dom Hermeto, Três de Maio, RS
Professora de Educação Infantil no Colégio Dom Hermeto, Três de Maio/RS.
Rúbia Emmel, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha, Campus Santa Rosa, Santa Rosa, RS
Possui Licenciatura em Pedagogia, pela Sociedade Educacional Três de Maio - SETREM (2008), Especialização em Educação Infantil e Alfabetização (2009), Mestrado em Educação Nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI (2011) e Doutorado em Educação Nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI (2015). Durante o Curso de Doutorado, participou de Projeto de Pesquisa: Concepções de Saúde e Educação para a Saúde na formação continuada de Professores: contribuições a organização curricular da educação básica e superior, no Centro de Investigação e Estudos da Criança, da Universidade do Minho, Braga, Portugal. Atuou como Pedagoga/Técnica Administrativa em Educação, junto ao Departamento de Ensino do Câmpus Feliz, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul. Foi professora de ensino superior, no Curso de Licenciatura em Pedagogia da Sociedade Educacional Três de Maio/SETREM. Foi Professora Adjunta, Magistério Superior, no Curso de Licenciatura em Pedagogia, da Universidade do Tocantins - UFT, Câmpus Arraias.Atuou como Professora de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, no Instituto Federal do Rio Grande do Sul, IFRS, Câmpus Feliz, na área da Pedagogia. Atualmente é Professora de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico, no Instituto Federal Farroupilha, IFFAR, Câmpus Santa Rosa, na área de Pedagogia, nos Cursos de Licenciatura em Matemática e Licenciatura em Ciências Biológicas.Tem experiência na área de Educação, com ênfase na Pedagogia, atuando principalmente nos seguintes temas: Currículo, Formação de Professores, Fundamentos e Metodologias do Ensino de Ciências, Educação Infantil, Pesquisa em Educação, Pesquisa-ação, Práticas de Ensino e Estágio Supervisionado, livro didático, cultura escolar, Gestão Educacional, Coordenação Pedagógica.

Referências

ALARCÃO, I. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2011.

BORIN, J. Jogos e Resolução de Problemas: uma estratégia para as aulas de Matemática. São Paulo: IMEUSP, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasília: MEC/CNE/CEB, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. v. 3. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BUENO, R. Poemas Problemas. São Paulo: Editora do Brasil, 2012.

CAVALCANTI, T. C. Formas de Resolver Problemas. In: SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. Ler, Escrever e Resolver Problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 126-150.

CHICA, H. C. Por que formular problemas? In: SMOLE, K. S.; DINIZ, M. I. Ler, Escrever e Resolver Problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 151-173.

FERNÁNDEZ, A. O Saber em jogo: a Psicopedagogia propiciando autorias de pensamento. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FIORENTINI, D. Alguns Modos de Ver e Conceber o Ensino da Matemática no Brasil. Zetetikê, Campinas, v. 3, n. 1, p. 1-38, 1995.

FIORENTINI, D. Rumos da Pesquisa Brasileira em Educação Matemática: o caso da produção científica em cursos de pós-graduação. 1994. 414 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 1994.

FRANCO, M. Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 483-502, set./dez. 2005.

LORENZATO, S. Laboratório de ensino de Matemática e materiais didáticos manipuláveis. In: LORENZATO, S. (Org.). O Laboratório de Ensino de Matemática na Formação de Professores. 2. ed. Campinas: Autores Associados. 2010. p. 3-38.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

NACARATO, A. M.; MENGALI, B. L. S.; PASSOS, C. L. B. A matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental: tecendo os fios do ensinar e do aprender. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SCHÖN, D. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SMOLE, K. S; DINIZ, M. I; CÂNDIDO, P. Jogos de Matemática de 1º a 5º Ano. Porto Alegre: Artmed, 2007.

SOARES, L. H. Aprendizagem Significativa na Educação Matemática: uma proposta para a aprendizagem de geometria básica. 2009. 137 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1986.

Publicado
2018-08-04
Como Citar
RODRIGUES, A.; DENES, A.; EMMEL, R. Reflexões da prática docente por meio da pesquisa-ação: a Educação Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, v. 4, n. 1, p. 88-101, 4 ago. 2018.
Seção
Ensino de Matemática