Algumas velocidades de órbitas planetárias

  • Mylena Marins do Amaral Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Formação de Professores São Gonçalo, RJ http://orcid.org/0000-0001-7438-3970
  • Rosa María García Márquez Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Formação de Professores, São Gonçalo, RJ http://orcid.org/0000-0003-3465-569X
  • Jorge Corrêa de Araújo Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Formação de Professores, São Gonçalo, RJ http://orcid.org/0000-0002-1015-6311
Palavras-chave: Velocidade Orbital, Afélio, Periélio, Equação Elíptica

Resumo

No presente trabalho são apresentados dados coletados na literatura científica em relação ao afélio e ao periélio de alguns corpos celestes, e com base na primeira lei de Kepler, são determinadas as equações elípticas que descrevem suas trajetórias ao redor do Sol. Utilizando o binômio de Newton, e conceitos básicos de conservação de energia e do momento angular de um sistema físico, pode ser obtida a velocidade máxima orbital de cada corpo celeste aqui analisado em função da excentricidade de sua órbita elíptica e de seu eixo. Obtido o tempo orbital de cada um desses corpos celestes e o comprimento de suas trajetórias em torno do Sol, sua velocidade média orbital foi calculada usando a cinemática do movimento. Os resultados obtidos usando essa metodologia simplificada encontram-se em boa concordância com os divulgados pelos astrônomos.

Biografia do Autor

Mylena Marins do Amaral, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Formação de Professores São Gonçalo, RJ

Aluna  e Monitora de Cálculo III, oferecida pelo Departamento de Matemática FFP-UERJ.

Rosa María García Márquez, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Formação de Professores, São Gonçalo, RJ

Mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade de São Paulo (1991) e doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006). Atualmente é professora associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Matemática Aplicada.

Jorge Corrêa de Araújo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Faculdade de Formação de Professores, São Gonçalo, RJ

Possui o bacharelado em matemática pela Universidade Federal Fluminense (1979), mestrado em Matemática pela Universidade Federal Fluminense (1987) e doutorado em Modelagem Computacional (matemática aplicada e computação científica) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2005). Atualmente é professor adjunto-matricula 8237-0 do Departamento de Matemática da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Tem experiência em difração de raios-X de materiais policristalinos com o metodo de Rietveld.

Referências

ALRIGA. Cálculo de la velocidad en órbitas elípticas. Disponível em: https://forum.lawebdefisica.com/entries/618-C%C3%A1lculo-de-la-velocidad-en-%C3%B3rbitas-el%C3%ADpticas. Acesso em: 12 jan. 2019.

ASIMOV, Isaac. 111 Questões sobre a Terra e o Espaço. São Paulo: Círculo do livro,1991.

CANALLE, J. B. G. O problema do ensino da órbita da Terra. Física na Escola, v. 4, n. 2, p. 12-16, 2003. Disponível em: http://www.sbfisica.org.br/fne/Vol4/Num2/v4n2a06.pdf. Acesso em: set. 2019.

Costa, J. R. V. Os astrônomos. Astronomia no Zênite: o Universo é tudo para nós. jan. 2006. Disponível em: http://www.zenite.nu/os-astronomos/. Acesso em: 22 jun. 2018.

Esquef, P. A.; Ribeiro, S. A. P. Elipses e as órbitas dos planetas. Revista do Professor de Matemática. São Paulo, n. 77, p. 28-32, 2012. Disponível em: http://rpm.org.br/cdrpm/77/7.html. Acesso em: dez. 2017.

GUIDORIZZI, H. L. Um curso de cálculo. v. 2. Rio de Janeiro: LTC, 2002.

HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de Física, v. 1: Mecânica. 6. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2002.

HASSER, N.; LA SALLE, J.; SULLIVAN, J. Análisis Matemático 1: Curso introductório. México: Trillas, 1990.

LONGHINI, M. D. Será o Cruzeiro do Sul uma cruz? Um novo olhar sobre as constelações e seu significado. Física na Escola, Uberlândia, MG, v. 10, n. 1. p. 26-29, 2009.

Mendonça, B. Entrevista concedida à equipe do Globo Ciência. Entenda como funciona o telescópio e sua evolução ao longo dos séculos. 2011. Disponível em: http://redeglobo.globo.com/globociencia/noticia/2011/11/entenda-como-funciona-o-telescopio-e-sua-evolucao-ao-longo-dos-seculos.html. Acesso em: 22 jun. 2018.

NASA. National Artonautics and Space Administration. Planetary Fact Sheet. Disponível em: https://nssdc.gsfc.nasa.gov/planetary/planetfact.html. Acesso em: 02 jan. 2019.

Nogueira, S.; CANALLE, J. B. G. Astronomia: Ensino Fundamental e Médio. Coleção explorando o ensino. Brasília: MEC, SEB, MCT, AEB, v. 11, p. 25-46, 2009.

RAMOS. M. Aprenda a se orientar pelos astros. 2006. Disponível em: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=800&sid=3&tpl=printerview. Acesso em: 01 jan. 2019.

SATO, P. Quais foram as descobertas mais importantes do Hubble? 2009. Disponível em: www.nova.escola.org.br/conteudo/1129/quais-foram-as-descobertas-mais-importantes-do-hubble. Acesso em: 25 jun. 2019.

SILVA, R. B. As 12 mentes mais brilhantes da História da Astronomia. Universo Racionalista. 2016. Disponível em: https://universoracionalista.org/as-doze-mentes-mais-brilhantes-da-historia-da-astronomia/. Acesso em: 25 jun. 2019.

SILVA, Wilson. Movimento Orbital. In: PRADO, A. F. (Org.). Fundamentos da tecnologia espacial. São José dos Campos: INPE, p. 9-24, 2001.

SIMÕES, C. Unidade Astronômica. Astronoo. 2013. Disponível em: http://www.astronoo.com/pt/artigos/unidade-astronomica.html. Acesso em: 21 jul. 2019.

VENERO, A. Introducción al Analisis Matemático. Lima-Peru: Gemar, 1995.

WILLIAMS, M. What is the closest planet to Earth? Universe Today. 2016. Disponível em: https://www.universetoday.com/14447/what-is-the-closest-planet-to-earth/. Acesso em: 25 mar. 2019.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
AMARAL, M.; MÁRQUEZ, R.; ARAÚJO, J. Algumas velocidades de órbitas planetárias. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, v. 6, n. 1, p. 1-14, 30 dez. 2019.
Seção
Matemática em Contextos Técnicos e/ou Tecnológicos