Modelagem Matemática da temperatura do corpo humano: possíveis contribuições na formação de professores de Matemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35819/remat2015v1i2id1198

Palavras-chave:

Modelagem Matemática, Formação de Professores, Temperatura Corporal, Funções Trigonométricas

Resumo

O relato de experiência exposto aqui consiste na utilização da modelagem na formação de professores de Matemática. A atividade proposta foi aplicada em uma turma do último semestre do curso de Licenciatura em Matemática do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Campus Caxias do Sul, na disciplina de Modelagem Matemática, no ano de 2014. A proposta consiste em envolver os futuros docentes em atividades que contenham modelagem, mais especificamente através de uma atividade que eles possam utilizar futuramente em suas aulas de Matemática. A partir dos modelos matemáticos construídos pelos estudantes, percebe-se que esta é uma oportunidade para, através da Modelagem Matemática, abordar e discutir diversos conceitos envolvendo funções trigonométricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Greice da Silva Lorenzzetti Andreis, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Caxias do Sul, RS

Possui graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade de Caxias do Sul (2005), mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008) e doutorado em Engenharia Química pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2011). Realizou pós-doutorado junto à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013) na área de Combustão, atuando principalmente no desenvolvimento de mecanismos cinéticos reduzidos para biocombustíveis. Atualmente é professora com dedicação exclusiva do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Câmpus Caxias do Sul.

Rodrigo Sychocki da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Caxias do Sul, RS

Licenciado em Matemática (2007) e mestre em Ensino de Matemática (2012) pela UFRGS. Doutorando em Informática na Educação pela UFRGS. É professor efetivo do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Caxias do Sul desde 2011. Atua como professor orientador do projeto PIC/OBMEP vinculado ao CNPQ/CAPES desde 2013. As áreas de interesse e pesquisa são: tecnologia informática no ensino de matemática, contribuições das teorias da epistemologia genética e das representações semióticas para o fenômeno da aprendizagem matemática, modelagem matemática com uso da tecnologia informática.

Referências

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo: Contexto, 2002.

BIEMBENGUT, M. S.; HEIN, N. Modelagem matemática no ensino. 5. ed., São Paulo: Contexto, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: ciência da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília, v. 2, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos /pdf/book_volume_02_internet.pdf. Acesso em: 29 abr. 2014.

CARVALHO, R. Efeitos do calor: quais as principais reações orgânicas às altas temperaturas. Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Disponível em: http://www.isaudebahia.com.br/noticias/detalhe/noticia/efeitos-do-calor-quais-as-principais-reacoes-organicas-as-altas-temperaturas/. Acesso em: 29 abr. 2014.

CHAVE, M. I. A.; SANTO, A. O. E. Possibilidades para modelagem matemática na sala de aula. In: ALMEIDA, L. M. W.; ARAÚJO, J. L.; BISOGNIN, E. (Orgs.). Práticas de modelagem matemática na educação matemática. Londrina: Eduel, 2011.

MARINHO, E. R. M.; GALVÃO, M. E. E. L. Modelagem matemática: aplicações do cálculo diferencial e integral à resolução de problemas relacionados às ciências da vida e da natureza. Revista PIBIC, Osasco, v. 5, n. 6, p. 119-125. 2011.

MAGALHÃES, S.; ALBUQUERQUE, R. R.; PINTO, J. C.; MOREIRA, A. L. Termorregulação. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, 2001. Disponível em: http://fisiologia.med.up.pt/Textos_Apoio/outros/Termorreg.pdf. Acesso em: 29 abr. 2014.

MUNDO ESTRANHO. Qual é o nível máximo e o mínimo que a temperatura do corpo pode atingir? São Paulo: Abril. Disponível em: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/qual-e-o-nivel-maximo-e-o-minimo-que-a-temperatura-do-corpo-pode-atingir. Acesso em: 29 abr. 2014.

MUÑOZ, I. S. S.; SILVA, J. L.; HAGIWARA, E. K.; ZÂNGARO, R. A.; LIMA, C. J. Sistema de aquecimento de soro fisiológico. VIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e IV Encontro Latino Americano de Pós-Graduação – Universidade do Vale do Paraíba, 2004. Disponível em: http://www.inicepg.univap.br/cd/INIC_2004/trabalhos/inic/pdf/IC3-41.pdf. Acesso em: 29 abr. 2014.

Downloads

Publicado

2016-01-05

Como Citar

ANDREIS, G. da S. L.; SILVA, R. S. da. Modelagem Matemática da temperatura do corpo humano: possíveis contribuições na formação de professores de Matemática. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, Bento Gonçalves, RS, v. 1, n. 2, p. 183–190, 2016. DOI: 10.35819/remat2015v1i2id1198. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/REMAT/article/view/1198. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência

Artigos publicados pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>