O contexto da geometria no âmbito escolar: concepções e implicações na formação docente

  • Elenice Weber Stiegelmeier Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Matemática, Cornélio Procópio, PR
  • Vilsiele Cristina Marthos Escola Educativa Centro Educacional, Ourinhos, SP
  • Glaucia Maria Bressan Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Matemática, Cornélio Procópio, PR
Palavras-chave: Geometria, Ensino de Matemática, Formação Docente

Resumo

O presente trabalho busca discutir como, nas aulas de matemática da Educação Básica, é praticada a Geometria Euclidiana. A metodologia de pesquisa utilizada foi a pesquisa exploratória, que compreende o levantamento bibliográfico e estudos de casos com professores e alunos envolvidos no projeto. Os estudos de casos foram baseados na aplicação de atividades práticas aos alunos do 6º ano do Ensino Fundamental II e 2º ano do Ensino Médio, considerando o contexto da geometria no âmbito escolar. Nesse processo, apresentam-se alguns aspectos relevantes sobre ensino de Geometria Euclidiana na Educação Básica, a problemática acerca da forma como a geometria vem sendo trabalhada nas escolas e as implicações da formação docente neste processo. A partir dos dados levantados, conclui-se que o ensino de geometria deve buscar valorizar as construções, tornando-as significativas para o estudante e, ainda, a formação continuada dos docentes e o uso adequado de metodologias contribuem significativamente para a aprendizagem dos estudantes.

Biografia do Autor

Elenice Weber Stiegelmeier, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Matemática, Cornélio Procópio, PR
Possui graduação em Matemática pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2005), mestrado em Modelagem Matemática pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2007), doutorado em Ciências, programa de Engenharia Elétrica, área de concentração Sistemas Dinâmicos pela Universidade de São Paulo (2012). Atualmente é professora da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). Atua principalmente nos seguintes temas: Sistemas Dinâmicos, Controle Ótimo, Otimização, Programação não linear (NLP) e Programação não linear inteira mista (MINLP).
Vilsiele Cristina Marthos, Escola Educativa Centro Educacional, Ourinhos, SP
Possui graduação em Habilitação Em Matemática pela Faculdade Estadual de Filosofia Ciências e Letras de Jacarezinho (2001) e graduação em Ciências Físicas e Biológicas - Faculdades Integradas de Ourinhos (1998). Atualmente é professor titular - Educativa Centro Educacional desde 2004. Atua na rede pública desde 2002, com argo efetivo em matemática desde 2012. Possui graduação em Pedagogia pela Uninove - Bauru - 2013, Possui especialização em Educação Matemática pela Uenp - Jacarezinho - 2002. Possui mestrado em matemática pela UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Estado do Paraná - 2017. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Ensino de Matemática.
Glaucia Maria Bressan, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Departamento Acadêmico de Matemática, Cornélio Procópio, PR
Possui graduação em Matemática pela Universidade Federal de São Carlos (2000), mestrado em Matemática Aplicada pela Universidade de São Paulo (2003), doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo (2007) e pós-doutorado em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo (2008) . Atualmente é professora da Universidade Tecnológia Federal do Paraná (UTFPR) - Campus Cornélio Procópio, PR. Atua principalmente nos seguintes temas: Matemática Aplicada, Métodos Numéricos, Equações Diferenciais, Álgebra Linear, Pesquisa Operacional, Lógica Fuzzy, Otimização.

Referências

AUSUBEL, D.P.; NOVAK, J.D.; HANESIAN, H. Psicologia educacional. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado em Licenciatura. Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15, 2002.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: CONSED/UNDIME/MEC, 2015a.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 02 de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, MEC, 2015b.

CRESCENTI, E. P. A formação inicial do professor de matemática: aprendizagem da Geometria e atuação docente. Práxis Educativa, Ponta Grossa, PR, v. 3, n. 1, p. 81 - 94, 2008.

FAINGUELERNT, E. K. Educação Matemática: representação e construção em geometria. Porto Alegre: Artes Medicas Sul, 1999.

FÁVERO, A. A.; TONIETO, C.; ROMAN, M. F. A formação de professores reflexivos: a docência como objeto de investigação. Educação, Santa Maria, v. 38, n. 2, p. 277-288, 2013.

FONSECA, M. C. F. R. O Sentido matemático do letramento nas práticas sociais. Presença Pedagógica. Belo Horizonte: Editora Dimensão, 2005.

FUCKS, W. R. Matemática Moderna. São Paulo: Polígon, 1970.

LOBO, J. da S. O Ensino de Geometria no Ensino Fundamental. ActaScientiae, Canoas, v. 6, p. 19-26, 2004.

LORENZATO, S. Por que não ensinar geometria? A Educação Matemática em Revista, Blumenau: SBEM, v. 3, n. 4, p. 3-13, 1995.

MORELATTI, M. R. M.; SOUZA, L. H. G. Aprendizagem de conceitos geometricos pelo futuro docente das series iniciais do Ensino Fundamental e as novas tecnologias. Curitiba: UFPR, 2006.

NÓVOA, A. Formação de professores e trabalho pedagógico. Lisboa: Educa, 2002a.

NÓVOA, A. Os novos pensadores da educação. Revista Nova Escola. Edição nº 154, 2002b.

PANIZZA, M. Ensinar Matemática na Educação Infantil e nas séries iniciais: análise e propostas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

PIMENTA, S. G. O Estágio na Formação de Professores: Unidade Teoria e Pratica? 7. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

PARRA, C.; SAIZ, I. (Org.). Didática da Matemática: Reflexões Psicopedagógicas. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 1996.

PAVANELLO, R. M. O abandono do ensino da geometria no Brasil: causas e consequências. Revista Zetetiké, Campinas, Ano 1, n. 1, p. 7-18, 1993.

RABAIOLLI, L. L. Geometria nos anos iniciais: uma proposta de formação de professores em cenários para investigação. 2013. 134 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Exatas) - Universidade do Vale do Taquari, Lajeado, 2013.

REZENDE, D. P. L. Ensino e aprendizagem de geometria: uma proposta para o estudo de polígonos nos anos finais do Ensino Fundamental. In: XIX Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática, 2015, Juiz de Fora. Anais XIX Encontro Brasileiro de Estudantes de Pós-Graduação em Educação Matemática, UFJF, 2015. p. 1-12.

SILVEIRA FILHO, J. O Novo Contexto da Matemática. Revistas das Faculdades Santa Cruz, v. 5, n. 2, 2006.

Publicado
2019-01-01
Seção
Ensino de Matemática