Os versos de Lilavati como fonte histórica para o ensino de Matemática: propondo uma prática

  • Isabelle Coelho da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PGECM/IFCE), Fortaleza, CE
  • José Hélison da Silva Universidade Estadual do Ceará (UECE), Centro de Ciências e Tecnologia, Fortaleza, CE
  • Ana Carolina Costa Pereira Universidade Estadual do Ceará (UECE), Centro de Ciências e Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática, Fortaleza, CE
Palavras-chave: Fontes Históricas, História da Matemática, Lilavati, Ensino de Matemática

Resumo

Durante as aulas de Matemática, questionamentos a respeito do surgimento e da importância de conteúdos estão presentes no cotidiano dos alunos. A partir dessas dúvidas, o professor procura técnicas que auxiliem e deem suporte para tornar as aulas mais atrativas. Nesse contexto, pode-se visualizar a História da Matemática e, mais especificamente, o uso de fontes históricas como um meio de lidar com esses desafios que possam surgir em sala de aula. Assim, as aulas poderão tornar-se mais interessantes, havendo um melhor aproveitamento em relação à internalização de assuntos. Dessa forma, neste estudo, objetiva-se investigar o uso da obra Lilavati, especificamente o verso CLXXIV, como fonte histórica para o ensino de Matemática na formação de professores. Para tanto, foram analisados os resultados de uma atividade e um questionário aplicados na disciplina de História da Matemática da UECE no semestre 2016/1. Portanto, concluiu-se que a maior parte dos discentes foram positivos quanto à utilização da fonte escolhida em sala de aula, ressalvando a importância da interdisciplinaridade na escola. Dessa maneira, o uso de fontes históricas faz-se presente quando o professor almeja desenvolver uma autonomia e espírito investigador nos alunos, fazendo os assuntos terem significado de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabelle Coelho da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PGECM/IFCE), Fortaleza, CE
Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual do Ceará (2015). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: história da matemática, educação matemática e formação de professores. É vice-líder do Grupo de Pesquisa em Educação e História Matemática - GPEHM. Atualmente, cursa mestrado no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática - PGECM, pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE).
José Hélison da Silva, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Centro de Ciências e Tecnologia, Fortaleza, CE
Graduando em Licenciatura em Matemática pela UECE e bolsista de iniciação científica e tecnológica pela FUNCAP.
Ana Carolina Costa Pereira, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Centro de Ciências e Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática, Fortaleza, CE

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual do Ceará (2001), mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2010). Atualmente é pós-doutoranda em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e coordenadora de curso de Licenciatura em Matemática da UECE/UAB. Ainda atua como docente Adjunta da Universidade Estadual do Ceará e líder do Grupo de Pesquisa em Educação e História da Matemática (GPEHM). Tem experiência na área de Educação Matemática, com ênfase em Ensino de Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: História da Matemática, História da Educação Matemática e Formação de Professores de Matemática. Coordenadora Local do XIII Seminário Nacional de História da Matemática. 

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – Matemática (5ª a 8ª série). Brasília: MEC/SEF, 1997.

D’AMBRÓSIO, B. S. Formação de Professores de Matemática para o Século XXI: O Grande Desafio. Pro-Posições, Campinas, v. 4, n. 1(10), p. 35-41, mar. 1993.

D’AMBRÓSIO, U. A História da Matemática: questões historiográficas e políticas e reflexos na Educação Matemática. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Pesquisa em Educação Matemática: Concepções & Perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999. p. 97-115.

FAUVEL, J.; MAANEN, J. V. History in mathematics education: the ICMI study. Dordrecht: Kluwer Academic. 2000.

FONT, V.; SALA, G.; BREDA, A.; SECKEL, M. J. Aspectos históricos presentes en las propuestas de innovación de profesores de básica de matemáticas. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, Ponta Grossa, v. 10, n. 3, p. 16-42, 2017. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rbect/article/view/7752/pdf. Acesso em: 01 abr. 2018.

JAHNKE, H. N.; ARCAVI, A.; BARBIN, E.; BEKKEN, O.; FURINGHETTI, F.; IDRISSI, A. E.; SILVA, C. M. S.; WEEKS, C. The use of original sources in the mathematics classroom. In: FAUVEL, John; VAN MAANEN, Jan. (Eds.) History in mathematics education: the ICMI study. Dordrecht: Kluwer Academic, 2000. p. 291-328.

LARA, I. C. M. de. O ensino de Matemática por meio da História da Matemática: possíveis articulações com a etnomatemática. VIDYA, Santa Maria, v. 33, n. 2, p. 51-62, jul./dez, 2013.

LOPES, L. S.; FERREIRA, A. L. A. Um olhar sobre a história nas aulas de matemática. Abakós, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 75-88, 2013.

MENDES, I. A. Tendências metodológicas no ensino de matemática. Belém, PA: EdUFPA, 2008.

MIGUEL, A; MIORIN, M. A. História na Educação Matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MOURA, M. O.; ARAÚJO, E. S. Atividade orientadora de ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 205-229, 2010.

PATWARDHAN, K. S.; NAIMPALLY, S. A.; SINGH, L. S. Lilavati of Bhaskaracarya: A Teatrise of Mathematics of Vedic Tradition. New Delhi: Motilal Banarsidass, 2001.

PEREIRA, A. C. C.; SILVA, I. C. da; NOGUEIRA, R. S.; ALVES, F. R. V. Sobre o uso de fontes na disciplina de História da Matemática: Problema 56 do papiro de Rhind. REVEMAT, Florianópolis, v. 10, n. 2, p. 243-257, 2015.

SILVA, A. P. P. do N. A leitura de fontes antigas e a formação de um corpo interdisciplinar de conhecimentos: um exemplo a partir do Almagesto de Ptolomeu. 95 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais e Matemática. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.

SILVA, I. C., PEREIRA, A. C. C. A importância da leitura e da escrita no estudo de fontes históricas: o caso do Papiro de Rhind. In: SEMINÁRIO DE ESCRITAS E LEITURAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 4., Natal, 2016. Anais …, RN: EDUFRN, p. 468-482, 2016.

SILVA, J. H. Possibilidades do uso de fontes históricas a partir dos versos de Lilavati para a formação inicial dos professores de matemática. 2016. 55 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Matemática) – Centro de Ciências e Tecnologia. Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2016.

SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

Publicado
2018-08-04
Como Citar
SILVA, I.; SILVA, J.; PEREIRA, A. Os versos de Lilavati como fonte histórica para o ensino de Matemática: propondo uma prática. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, v. 4, n. 1, p. 78-87, 4 ago. 2018.
Seção
Ensino de Matemática