A matemática escolar a partir da perspectiva wittgensteiniana: entre normatividade e empirismo

Autores

  • Marcelo Carvalho Antunes Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS http://orcid.org/0000-0001-6780-4108
  • Samuel Edmundo Lopez Bello Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS
  • Suelen Assunção Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS

DOI:

https://doi.org/10.35819/remat2017v3i1id2195

Palavras-chave:

Wittgenstein, Normatividade, Regras

Resumo

Nosso propósito, neste texto, é promover uma discussão sobre a matemática escolar através de alguns conceitos da filosofia do Wittgenstein das Investigações Filosóficas. Regulamos nossas lentes para a escrita matemática, em específico, para as questões relacionadas às proposições normativas e empíricas e a questão de seguir regras, na concepção wittgensteiniana. Como pano de fundo a estas investigações, erguem-se desconfianças à necessidade de utilização de relações externas à matemática. Amparados na filosofia da linguagem de Wittgenstein, traçamos as linhas do que chamamos de busca dos significados dos objetos matemáticos, olhando em direção ao normativo, em detrimento do descritivo. Intencionamos mostrar que os significados matemáticos não se encontram no campo do empírico, mas teriam eles a função de servir de padrão de correção, por ocasião da comparação com a experiência. Com o intuito de realizar uma conexão entre a filosofia teórica apresentada e alguns conceitos matemáticos, sugerimos alguns exemplos que são apresentados ao longo do texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Carvalho Antunes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui Especialização em Educação Matemática pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Graduado em Matemática Licenciatura pela UFRGS. Atualmente pesquisa a problemática da Linguagem na Educação Matemática a partir das ferramentas filosóficas wittgensteinianas sob o viés da perspectiva pós-estruturalista. Professor de matemática da rede municipal de ensino de Porto Alegre.

Samuel Edmundo Lopez Bello, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS

Possui graduação em Licenciatura em Matemática. Mestrado em Educação (UFPR - 1995) e Doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Pós-doutorado no UMR 5191 ICAR - CNRS Université Lyon 2 - Lyon- França (CAPES Proc: BEX 4392/13-2). Atualmente é professor associado iiI do Departamento de Ensino e Currículo da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor do PPGEDU/ UFRGS e do PPG- Ensino de Ciências da UFRGS.

Suelen Assunção Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde, Porto Alegre, RS

Doutora em Educação pela UFRGS, Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Especialista em Tutoria em EaD (UFRGS), possui graduação em Matemática Licenciatura pela UFRGS. Atualmente é Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e membro dos Grupos de Pesquisa PRAKTIKÉ: Educação e Currículo em Ciências e Matemática e GEEmCO: Grupo de Estudos em Educação Matemática e Contemporaneidade. Possui interesse nas temáticas sobre Educação Matemática, Formação de Professores de Matemática e Filosofias da Diferença e Educação.

Referências

BELLO, Samuel Edmundo Lopez. Jogos de linguagem, práticas discursivas e produção de verdade: contribuições para a educação (matemática) contemporânea. Zetetiké, Campinas, v. 18, número temático, p. 545-588, 2010.

CARMO, J. S. Sobre a normatividade do significado. Kínesis, v. 4, n. 7, p. 376-391, jul. 2012.

CHILD, William. Wittgenstein. Porto Alegre: Penso, 2013.

GLOCK, H. J. Dicionário de Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

GOTTSCHALK, C. M. C. Três Concepções de Significado na Matemática: Bloor, Granger e Wittgenstein. Coleção CLE. v. 49, p. 95-123, 2007.

GOTTSCHALK, C. M. C. A construção e transmissão do conhecimento matemático sob uma perspectiva wittgensteiniana. Cad. Cedes, Campinas, v. 28, n. 74, p. 75-96, jan./abr. 2008.

LIMA, E. L. Análise real. v. 1. Rio de Janeiro: IMPA, 2009.

LIMA, Elon L. Por que (-1)×(-1)=1. Revista do Professor de Matemática, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1982.

MORENO, Arley R. Wittgenstein através das imagens. Campinas: UNICAMP, 1993.

PORTO, André. As dízimas periódicas na filosofia da matemática de Wittgenstein. Philósophos, Goiânia, v. 8, n. 2, p. 127-157, jul./dez. 2003.

RIPOLL, J. B.; RIPOLL C. C.; DA SILVEIRA, J. F. P. Números Racionais, Reais e Complexos. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da; SILVA, Paulo Vilhena da. O cálculo e a escrita matemática na perspectiva da filosofia da linguagem: domínio de técnicas. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 469-483, 2016.

SILVEIRA, Marisa Rosâni Abreu da; TEIXEIRA JÚNIOR, Valdomiro Pinheiro; SILVA, Paulo Vilhena da. A matemática e suas aplicações na perspectiva de Wittgenstein. In: CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA (CIAEM), 15., Chiapas, México, 2015. Proceedings... Disponível em: http://xiv.ciaem-redumate.org/index.php/xiv_ciaem/xiv_ciaem/paper/viewFile/662/78. Acesso em: 19 jul. 2017.

WITTGENSTEIN, L. Gramática Filosófica. São Paulo: Loyola, 2003.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Trad. BRUNI, José Carlos. São Paulo: Nova Cultura, 1999.

Downloads

Publicado

2017-07-22

Como Citar

ANTUNES, M. C.; BELLO, S. E. L.; SANTOS, S. A. A matemática escolar a partir da perspectiva wittgensteiniana: entre normatividade e empirismo. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, Bento Gonçalves, RS, v. 3, n. 1, p. 147–158, 2017. DOI: 10.35819/remat2017v3i1id2195. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/REMAT/article/view/2195. Acesso em: 17 jul. 2024.

Edição

Seção

Ensino de Matemática