Xe Rohenoi Eju Orendive: rimas, rappers e hibridização cultural de povos indígenas no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35819/tear.v9.n2.a4515

Resumo

Resumo: O objetivo deste texto é enfocar a hibridização cultural a partir da indigenização do rap, ressaltando a educação como espaço-tempo de produção subjetiva na relação com a alteridade. Nesse sentido, o ensaio debate o conceito de “cultura” como um termo alienígena, ressignificado nas lutas dos povos originários. Para compor a metodologia, dialoga com o trabalho de rappers indígenas, não apenas como análise, mas visando à composição, isto é, integrando sons e imagens ao pensamento ensaístico do autor. O resultado é uma percepção sobre culturas e línguas, sem receios de ameaça ou de perda, visualizando possibilidades de reexistência e de uso estratégico, no caso, da poética e da estética Hip Hop. A pedagogia em jogo salienta demandas indígenas, como a demarcação da terra e a retomada da língua e da cultura, além de performatizar diferenças étnicas. Ademais, interpela a branquitude, seja para se articular às lutas, seja para compreender minimamente o recado: os povos indígenas não são objetos do imaginário de ninguém, mas sujeitos em desconstrução relacional com o mundo e que lutam pelo que acreditam, inclusive contra uma violência que já persiste por centenas de anos. O trabalho é um convite para a revisão de ideias preconcebidas por muitas paisagens sobre “o outro”, como: enrijecimento identitário, generalização homogeneizadora e tentativa de construção de uma narrativa única. Mais que isso, quer provocar o purismo e a mesmidade, abrindo a produção de sentidos para o mistério da vida, isto é, o incognoscível.

Palavras-chave: Educação. Cultura. Rap indígena.

 

Biografia do Autor

William Ribeiro, Universidade Federal Fluminense

Professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), unidade de Angra dos Reis. Doutor e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Downloads

Publicado

2020-12-08

Como Citar

RIBEIRO, W. Xe Rohenoi Eju Orendive: rimas, rappers e hibridização cultural de povos indígenas no Brasil. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 9, n. 2, 2020. DOI: 10.35819/tear.v9.n2.a4515. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/tear/article/view/4515. Acesso em: 18 set. 2021.