Dinâmica populacional de fungos causadores de doenças de tronco em videiras sob a ação de possíveis agentes inibidores

Autores

  • Lisandra Pitol Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2717-031X
  • Tatiane Weimann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0003-0505-9805
  • Sandra Denise Stroschein Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3292-2491
  • Marcus André Kurtz Almança Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0002-3895-4390
  • Cristian Schweitzer de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Farroupilha, Farroupilha, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0001-8688-3040
  • Rodrigo Stiehl Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil https://orcid.org/0000-0002-8988-2710

DOI:

https://doi.org/10.35819/remat2021v7i1id4432

Palavras-chave:

Modelo de Verhulst, Fungos, Equações Diferenciais, Modelagem Matemática, Matemática Aplicada

Resumo

O artigo apresenta contribuições matemáticas para as áreas da agricultura e da fitopatologia, utilizando-se de dados reais e modelando o comportamento de fenômenos físicos. O objetivo do trabalho é modelar o crescimento do Botryosphaeria dothidea em meio de cultura com diferentes componentes, comparando os dados experimentais com o modelo matemático clássico de Verhulst. O experimento foi realizado no Laboratório de Fitopatologia do IFRS - Campus Bento Gonçalves, onde foi preparado o meio de cultura batata-dextrose-ágar (BDA), com diferentes componentes possivelmente inibitórios de crescimento, além de uma testemunha (somente com BDA). O meio de cultura foi alocado em placas de Petri e, em seguida, o fungo Botryosphaeria dothidea foi repicado no centro das placas sobre esse meio. Foram realizadas medições do crescimento fúngico a cada 12 horas. Para o processamento numérico e para a exibição dos gráficos foram utilizados softwares computacionais, tais como o Excel e o Scilab. Por meio de Modelos Matemáticos, que consequentemente refletem em Equações Diferenciais Ordinárias, foi possível programar as simulações numéricas, verificando-se, assim, que a testemunha foi a que apresentou menor erro em relação ao modelo clássico. É plausível afirmar que o crescimento do fungo segue um modelo matemático clássico (Verhulst). Porém, foi possível constatar que os meios de cultura que possuíam possíveis inibidores em sua composição retardaram o crescimento do fungo, indicando que neste tipo de situação o modelo matemático clássico não descreve precisamente a realidade, necessitando ser adaptado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisandra Pitol, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil

Tatiane Weimann, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil

Sandra Denise Stroschein, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil

Marcus André Kurtz Almança, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil

Cristian Schweitzer de Oliveira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Farroupilha, Farroupilha, RS, Brasil

Rodrigo Stiehl, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), Campus Bento Gonçalves, Bento Gonçalves, RS, Brasil

Referências

ALFENAS, A. C.; MAFIA, R. G. Métodos em Fitopatologia. 2. ed. Viçosa: Editora UFV, 2016.

ALMANÇA, M. A. K.; LERIN, S.; CAVALCANTI, F. R. Doenças da videira. Informe Agropecuário. v. 36, n. 289, p. 70, 2015.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2009.

BOYCE, W. E.; DIPRIMA, R. C. Equações Diferenciais Elementares e Problemas de Valores de Contorno. Tradução de Valéria de Magalhães Lorio. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

MALLMANN, E. J. J.; CUNHA, F. A.; CASTRO, B. N. M. F.; MACIEL, A. M.; MENEZES, E. A.; FECHINE, P. B. A. Antifungal Activity of Silver Nanoparticles Obtained by Green Synthesis. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, São Paulo, v. 57, n. 2, p. 165-167, abr. 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0036-46652015000200011.

PERIN, R.; FIORENTIN, J.; STROSCHEIN, S.; ALMANCA, M. Equações diferenciais no crescimento de fungos causadores de doenças de tronco em videira. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, Bento Gonçalves, v. 5, n. 2, p. 192-208, 01 jul. 2019. DOI: https://doi.org/10.35819/remat2019v5i2id3376.

UNICAMP. Faculdade de Engenharia Mecânica. Medição de Dados Experimentais, Incerteza e Propagação de Erro: O erro nos dados experimentais. [s.d] Disponível em: http://www.fem.unicamp.br/~instmed/Incerteza.htm. Acesso em: 02 abr. 2020.

ZILL, D. G.; CULLEN, M. R. Equações Diferenciais. Vol. 1. 3. ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 2001.

ZILL, D. G. Equações Diferenciais com Aplicações em Modelagem. Vol. 1. Tradução da 10ª edição norte-americana. Tradução de Márcio Koji Umezawa. 3. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2016.

Downloads

Publicado

2021-01-12

Como Citar

PITOL, L.; WEIMANN, T.; STROSCHEIN, S. D.; ALMANÇA, M. A. K.; OLIVEIRA, C. S. de; STIEHL, R. Dinâmica populacional de fungos causadores de doenças de tronco em videiras sob a ação de possíveis agentes inibidores. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, Bento Gonçalves, RS, v. 7, n. 1, p. e3003, 2021. DOI: 10.35819/remat2021v7i1id4432. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/REMAT/article/view/4432. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Matemática

Artigos publicados pelo mesmo(s) autor(es)