A alfabetização científica e a alfabetização midiática e informacional: ações educativas do bibliotecário em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35819/tear.v11.n1.a5547

Resumo

Resumo: A pandemia evidenciou a importância de o bibliotecário atuar e promover ações no âmbito educacional para contribuir com a comunidade nos aspectos relacionados à informação, às mídias e ao conhecimento científico, promovendo a inclusão e a cidadania. Esta pesquisa tem como objetivo principal verificar como o bibliotecário, no âmbito das instituições de ensino, atua como educador durante o período da pandemia, por meio de ações relacionadas com a alfabetização científica, midiática e informacional para o desenvolvimento da competência informacional. Para verificar através de que ações esse profissional coloca em prática seu papel educativo, realizou-se um estudo de caso com bibliotecários que atuam em bibliotecas escolares e bibliotecas universitárias do Estado do Rio Grande do Sul. Os dados coletados foram analisados com base no referencial teórico e como resultado foi possível elencar 26 (vinte e seis) tipos de ações educativas relacionadas com a Alfabetização Midiática e Informacional e 5 (cinco) relacionadas com a Alfabetização Científica. Além disso, verificou-se que apesar do distanciamento social exigido em tempos de pandemia e por questões de saúde, o bibliotecário segue realizando ações educativas em diferentes âmbitos mediados pelas tecnologias.

Palavras-chave: Ações educativas do bibliotecário. Alfabetização midiática e informacional. Alfabetização científica.

Biografia do Autor

Laura Valladares, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pós-graduada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) no curso A Moderna Educação: Metodologias, Tendências e Foco no Aluno (EAD). Mestra em Ciência da Informação pela Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Bibliotecas Escolares e Especializadas e temas como Competência Informacional e Alfabetização Midiática e Informacional (AMI). Experiência com tutoria e monitoria de projetos em ambiente virtual.

Bruno Luce, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Mestrado em Informática na Educação, no Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS). Graduado em Jornalismo pelo Centro Universitário Metodista (2011) e em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018). Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Biblioteconomia, atuando principalmente em temas como: Fake News, Desinformação, Hiper-informação, Letramento Informacional, Pós-Verdade, Análise Bibliométrica e Repositórios Digitais. 

Lizandra Estabel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Informática na Educação - PGIE/UFRGS, possui Especialização em Informática na Educação - PGIE/UFRGS e graduação em Biblioteconomia pela Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (FABICO/UFRGS). Coordenadora e Professora do Curso Técnico em Biblioteconomia, do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS) - Campus Porto Alegre. Professora do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu do Mestrado Profissional em Informática na Educação do IFRS. Docente Permanente e orientadora de Mestrado e de Doutorado no PPG Educação em Ciências da UFRGS (PPGEC/UFRGS).

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

VALLADARES DE OLIVEIRA SOARES, L.; FORTES LUCE, B.; BRASIL ESTABEL, L. A alfabetização científica e a alfabetização midiática e informacional: ações educativas do bibliotecário em tempos de pandemia. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 11, n. 1, 2022. DOI: 10.35819/tear.v11.n1.a5547. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/tear/article/view/5547. Acesso em: 4 dez. 2022.