Avaliação de um curso de formação continuada como método de capacitação de professores do ensino médio em genética

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35819/tear.v10.n1.a5068

Resumo

Resumo: Os conteúdos de Genética são apontados por alunos e professores de Biologia entre os mais complexos do Ensino Médio. Este artigo tem como proposta descrever a elaboração e avaliar o potencial e as eventuais limitações de um curso de formação continuada em Genética para professores de Biologia, visando minimizar as dificuldades de ensino-aprendizagem nesta temática. Inicialmente, para a estruturação do curso, os autores aplicaram questionários de diagnóstico relacionados ao processo de ensino-aprendizagem de Genética com alunos (n=1140) e professores de Biologia (n=52) de 40 escolas estaduais de Curitiba/PR. A partir dos dados coletados verificamos que a não utilização de metodologias alternativas no ensino de Genética era um dos principais fatores associados às dificuldades de aprendizado dos estudantes. Adicionalmente, observamos que a baixa utilização dessas metodologias estava relacionada com as defasagens teórica e prática dos professores em Genética. Objetivando minimizar as defasagens teórico-práticas dos docentes, estruturamos e realizamos o curso “Desenrolando a Genética”, com 33 professores e em dez módulos. O potencial e as eventuais limitações do curso foram mensurados a partir de respostas dadas aos questionários comparativos aplicados no início e no final do curso e de formulários que registraram a visão dos professores participantes em relação às atividades realizadas e ao curso. Estes dados indicaram que, apesar de conter pequenas limitações, o curso contribuiu para minimizar as defasagens teórica e prática dos docentes, possibilitando um melhor ensino de Genética nas escolas. Estudos futuros são necessários para verificar se os estudantes estão reduzindo suas dificuldades de aprendizado em Genética.

Palavras-chave: Metodologias Alternativas. Formação Continuada. Ensino de Genética.  

Biografia do Autor

Ronaldo dos Santos Filho, Universidade Federal do Paraná

Atualmente, pós-doutorando no programa de pós-graduação em Genética da UFPR, na linha de pesquisa de Educação Científica, com projeto de pesquisa intitulado: " Integrando metodologias alternativas de ensino e a Educação Científica a Genética". Possui graduação em Ciências Biológica - Licenciatura Plena - Faculdades Integradas Espírita (2010) e especialização em Conservação da Natureza e Educação Ambiental - PUCPR (2012). Mestre (2016) e Doutor (2020) em Genética pela Universidade Federa do Paraná. Com experiência na docência de Biologia para o Ensino Médio.

Marta Margarete Cestari, Universidade Federal do Paraná

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos (1984), mestrado e doutorado em Ecologia e Recursos Naturais pela Universidade Federal de São Carlos. Atualmente é professora Titular da Universidade Federal do Paraná lotada no Departamento de Genética desde 1992. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Citogenética de Peixes e Mutagênese Ambiental utilizando peixes como organismos teste e biomonitores. Além disso, tem projetos aprovados com peixes (in vivo e ex-vivo) e cultivo celular (RTG2, ZFL). Orienta nos Programas de Pós-Graduação: PPG em Genética (Conceito 4) e PPG em Ecologia e Conservação (Conceito 6), ambos na UFPR. Coordena o Laboratório de Citogenética Animal e Mutagênese Ambiental (Web: http://labmuta.wordpresss.com) e lidera o Grupo de Pesquisa de Citogenética e Mutagênese em Peixes.

Lupe Furtado Alle, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Paraná (1997), mestrado e doutorado em Genética pela Universidade Federal do Paraná . Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Genética, com ênfase em Genética Médica. Atualmente, coordena projetos de Genética de Características Complexas e de Educação Científica, foi coordenadora do Programa de Pós-graduação em Genética da UFPR de agosto de 2015 até julho de 2019 e atualmente, é chefe do Departamento de Genética da UFPR.

Daniela Morais Leme, Universidade Federal do Paraná

Professora Adjunta do Departamento de Genética da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Graduada (Bacharel e Licenciatura) em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociências de Rio Claro/UNESP (2005), mestrado em Biologia Celular e Molecular pela UNESP-Rio Claro (2007) e doutorado em Biologia Celular e Molecular pela UNESP-RioClaro (2010). Cursou pós-doutorado na BASF SE (Alemanha) (2011) e Faculdade de Ciências Farmacêutica de Ribeirão Preto (FCFRP/USP) (2012-2014). Foi professora visitante na Universidade de Washington (UW, Seattle-WA-EUA) no período de 2017-2018 pelo programa Fulbright e desde 2018 atua ativamente como colaboradora em pesquisas do DEOHS da UW. Coordenada o Laboratório de (Eco)toxicologia In Vitro da UFPR associado ao RENAMA e desenvolve pesquisas voltadas ao desenvolvimento e uso de métodos in vitro para prover informações (eco)toxicológicas de substâncias químicas, bem como aplicar no desenvolvimento de produtos sustentáveis.

Downloads

Publicado

2021-07-05

Como Citar

DOS SANTOS FILHO, R.; CESTARI, M. M.; FURTADO ALLE, L.; MORAIS LEME, D. Avaliação de um curso de formação continuada como método de capacitação de professores do ensino médio em genética. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 10, n. 1, 2021. DOI: 10.35819/tear.v10.n1.a5068. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/tear/article/view/5068. Acesso em: 15 out. 2021.