A adaptação de um curso de inglês do formato EAD para o formato semipresencial: relato de uma experiência com o curso e-Tec Idiomas de língua inglesa

Autores

  • Marcelo Cizaurre Guirau Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo
  • Teresa Helena Buscato Martins Martins Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.35819/linguatec.v5.n2.4468

Resumo

O Programa e-Tec Idiomas Sem Fronteiras surgiu de uma demanda apresentada no Fórum de Relações Internacionais (FORINTER) por cursos de idiomas que capacitassem estudantes e servidores da Rede de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (EPCT) a participar de projetos de mobilidade internacional e viabilizassem o processo de internacionalização em andamento nos Institutos Federais. Oferecido como curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) no campus São Paulo-Pirituba do IFSP, as principais modificações do curso em relação a sua proposta primeira foram a ampliação da carga horária de encontros presenciais e alterações na forma de atuação do formador – gradativamente, ao longo do curso, aproximando-se do papel tradicional do professor. O que apresentaremos aqui é um estudo de caso, de caráter descritivo e exploratório, com a análise de dados quantitativos e qualitativos.  A heterogeneidade de formação dos alunos e a pouca familiaridade da maior parte deles com educação à distância estão entre as principais causas das modificações aludidas acima. Neste texto, traremos dados de oferta e uma síntese das experiências e das percepções dos professores de inglês do campus sobre os cursos do Programa e-Tec Idiomas ministrados e sobre a necessidade de adaptar a proposta original às demandas locais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2020-11-20

Edição

Seção

Relatos de experiência