Entre o virtual e o concreto: um olhar sobre os entrecruzamentos de expectativas e realidades vividas no estágio curricular obrigatório para a conclusão de um curso de Licenciatura em Letras

  • Marianna Collares Soares Rego Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Palavras-chave: Ensino de Inglês, Estágio Curricular, Identidade Docente

Resumo

Este trabalho tem como objetivo apresentar um relato de experiência baseado nas vivências de uma acadêmica do curso de Letras Português/Inglês durante seu estágio curricular obrigatório em um Instituto Federal na região sul do Brasil. Busca-se, também, enfatizar a importância do diário de bordo – teacher’s journal – como escrita, que propiciou reflexões sobre o ser e o fazer docentes e que, posteriormente, repercutiram na constituição da identidade profissional da pesquisadora em questão. Como de praxe, os estágios obrigatórios para conclusão de cursos de graduação constituem-se como espaços para que os sujeitos em formação possam simular o porvir e, neste caso específico, para desenvolver atividades de ensino de língua inglesa concatenadas com a realidade dos estudantes, com foco em tarefas que os colocassem como indivíduos ativos no processo de aprendizagem dessa língua estrangeira. Desse modo, espera-se que esta narrativa possa ecoar e ajudar aqueles que trabalham em prol de uma aula de língua inglesa mais eficiente.

Biografia do Autor

Marianna Collares Soares Rego, Universidade Federal do Rio Grande (FURG)
Licenciada em Letras Português/Inglês pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e Mestranda em Estudos da Linguagem do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL/FURG)

Referências

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, A.C.P. De Brás Cubas à curva de Koch: produção textual com base nas teorias da Complexidade. 2015. Doutorado em Linguística Aplicada - Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Ministério da Educação. Orientações Curriculares para o Ensino Médio – Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/ pdf/book_volume_01_internet.pdf. Acesso em: 23 mar. 2019.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e escrita: apresentação de um procedimento. In: Gêneros orais e escritos na escola. (Org.) Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004.

DUARTE, B.G. Professores em formação de inglês: complexidade, escala de valores e identidades. 2014. Mestrado em Linguística Aplicada - Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal de Pelotas.

KUMARAVADIVELU, B. Understanding language teaching: from method to postmethod. New Jersey: LEA, 2006.

LEFFA, V. J. Língua estrangeira. Ensino e aprendizagem. Pelotas: EDUCAT, 2016.

LEFFA, V. J. Se mudo o mundo muda: ensino de línguas sob a perspectiva do emergentismo. Revista Caleidoscópio. v. 7, n. 1, p. 24-29, jan/abr 2009.

LONGARAY, E. A. A aprendizagem de inglês na escola pública no Brasil e o mito da importância da língua estrangeira. Brasília: EM ABERTO, 2009. v. 22. nº 81. p. 47-59.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise e gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola, 2008.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

STREET, B. Letramentos Sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

Publicado
2019-06-20
Seção
Narrativas de ensino