Criação de sinais para facilitar o ensino e aprendizagem de surdos em ciência e biologia

  • Daniela Copetti Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha
  • Cátia Roberta de Souza Schernn Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
  • Juliane Oberoffer Santos da Rosa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
  • Josiane Fiss Lopes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
  • Fabiani Machado Machado Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
  • Larissa Lunardi Lunardi Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
  • Juliane Ditz Knob Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
  • Maira Ilisa Fauth Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Palavras-chave: Ensino de Ciências, Ambiente, Saúde.

Resumo

Resumo: Esta pesquisa teve como propósito mostrar a necessidade da criação de novos sinais em Libras (Língua Brasileira de Sinais) para os termos utilizados no ensino de Ciências e Biologia e, assim, proporcionar de fato um ensino pautado em práticas bilíngues para Surdos. Inicialmente buscou-se ter conhecimento dos sinais existentes na área através de uma pesquisa em sites da web, conversa com alunos surdos e intérpretes.  A partir disso realizou-se um levantamento de todos os termos específicos de Biologia, e desenvolveu-se um guia de bolso com um sinalario, o qual estará disponível futuramente no formato de aplicativo de celular, intitulado “BioHand Talk”. Como resultado observou-se que somente com a interação entre aluno surdo, intérprete e professor, e também com o conhecimento dos parâmetros para criação de sinais é possível desenvolver novos sinais. Estes sinais criados somente podem se tornar oficiais e definitivos da língua se houver a aprovação da comunidade surda. Desta forma, a fim de exemplificar, são utilizados a palavra, seu conceito, a imagem representativa do termo e o sinal criado ou existente. Conclui-se que a criação e elaboração de novos sinais em Libras poderão contribuir no ensino e aprendizagem de alunos surdos nos conteúdos de Ciências e Biologia, facilitando o acesso através da ferramenta tecnológica.

Biografia do Autor

Daniela Copetti Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha

Doutora em Ciências Biológicas - Bioquímica pela UFRGS

Mestre em Biologia Celular e Molecular pela PUC/RS

Especialista em Genética e Evolução Biológica pela UPF

Graduada em Ciências Biológicas pela Unicruz. 

Cátia Roberta de Souza Schernn, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências da UNIJUÍ (2018). Especialização pela FAFIPA (2011) e UNINTESE (2014). Graduada do Curso de Letras da Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ (2005). Docente de Libras no Instituto Federal Farroupilha – Santa Rosa.
Juliane Oberoffer Santos da Rosa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Possui: Graduação em Educação Física Licenciatura e Bacharelado, pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI (1999). Graduação em Letras/Libras Bacharelado - Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC - Santa Catarina (2018). Pós Graduada em Gestão e Organização Escolar. - UNOPAR.(2006) Pós Graduada em Libras - Tradução/Interpretação LIBRAS/PORTUGUÊS e PORTUGUÊS/LIBRAS e Docência - UNINTESE - Paraná.(2009) Pós -Graduação em Educação Especial Inclusiva - UNINTER - Paraná. (2018). Tradutora/intérprete de Língua Brasileira de Sinais do Instituto Federal Farroupilha, Campus Santa Rosa; Coordenadora das Ações Inclusivas - CAI - Campus de Santa Rosa, atuando com alunos incluídos na Instituição. Professora de Educação Especial III - Libras - Língua Brasileira de Sinais no Curso de Pedagogia, na Sociedade Educacional Três de Maio - SETREM. Professora de Libras - Língua Brasileira de Sinais, nos cursos superior de Engenharia de Produção; curso superior de Enfermagem - forma de optativa.
Josiane Fiss Lopes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupillha - campus Santa Rosa-RS. Mestranda em Ambiente e Tecnologias Sustentáveis pela Universidade Federal da Fronteira Sull (UFFS).
Fabiani Machado Machado, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Licenciado em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Larissa Lunardi Lunardi, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Mestranda em Ensino de Ciências pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) - Campus Cerro Largo. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas Educacionais e Práticas Pedagógicas - GEPPEPPE, UFFS. É formada em Licenciatura em Ciência Biológicas pelo Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa (2018).
Juliane Ditz Knob, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha- Campus Santa Rosa.
Licenciada em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal Farroupilha- Campus Santa Rosa

Referências

ALVES, F.S de; PEIXOTO, D.E.; LIPPE, E.M.O. Releitura de Conceitos Relacionados à Astronomia Presentes nos Dicionários de Libras: Implicações para Interpretação/Tradução. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 19, n. 4, p. 531-544, Out.-Dez, 2013.

AMORIN, M.; COSTA, S.; WALKER, M. A inclusão do aluno surdo na rede regular de ensino. 2015. Disponível em: <http://www.ufac.br/portal/unidadesadministrativas/orgaos-complementares/edufac/revistas-eletronicas/revista-ramal-deideias/edicoes/edicao-1/caminhos-da-educacao/a-inclusao-do-aluno-surdo-na-rederegular-de-ensino>. Acesso em 17 mar. 2019.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 02 abr. 2019.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: adaptações curriculares. Brasília: MEC/SEF/SEESP, 1999.

______. Decreto nº 5.626, de 22 Dez 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 Abr 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e o artigo 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, 2005.

CASTRO, R. G. Libras: uma ponte para comunicação entre pais ouvintes e filhos surdos. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação Especial Infantil e Fundamental). Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 1999.

CASTRO, J. Ir e vir. Acessibilidade: compromisso de cada um. Campo Grande/MS: Gibim, 2013.

CHOMSKY, N. Linguagem e pensamento. RJ: Vozes, 1971.

CORDEIRO, Jéssica Lima, SILVA, Maysa Sousa. O ensino de ciências e biologia na educação dos surdos: desafios e perspectivas para uma melhor educação inclusiva. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 08, Vol. 14, pp. 86-100, Agosto de 2018. ISSN:2448-0959

DORZIAT, Ana. O outro da educação: Pensando a surdez com base nos temas identidade/diferença, currículo e inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

FELIPE, Tanya A.; MONTEIRO, Myrna S. Libras em contexto: curso básico, livro do professor. 6. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2006.

FERNADES, Sueli. Educação de surdos. Curitiba: InterSaberes, 2012.

FREUD, Sigmund. Sobre a concepção das afasias: Um estudo crítico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

GOMES, P.C.; MINGUILI, M. G. Inclusão escolar na percepção de professores do município de Dois Córregos, São Paulo. Camine: Caminhos da Educação, v. 6, p. 1-29, 2014.

______, P. C.; BASSO, S. P. S. O ensino de biologia mediado por LIBRAS: perspectivas de licenciandos em Ciências Biológicas. Trilhas pedagógicas, v.4, n4, P. 40-63, 2014.

LACERDA, C.B.F. de; ALBRES, N. de A.; DRAGO, S.L dos S. Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. Educ. Pesqui, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 65-80, jan./mar. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n1/v39n1a05>. Acesso em 30 de Nov. de 2018.

_________, C. B. F.; SANTOS, L. F. Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à libras e educação de surdos. 1. ed. São Carlos: EDUFSCar, 2013. v. 1. 254p.

LOPES, V. G. Linguagem do Corpo e Movimento. Curitiba, PR: FAEL, 2006.

MENDES, E.G. Perspectiva para a construção da escola inclusiva no Brasil. In: PALHARES, M.S.; MARINS, S.C.F. Escola inclusiva. São Carlos: EdUFSCar, 2002: 61-85.

QUADROS, R. M. Educação de Surdos: a aquisição da linguagem. Porto Alegre: Artemed, 1997. p. 27.

______, R.M. de. Aquisição de L2: o contexto da pessoa surda. In: III SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE LINGÜÍSTICA, 1996, Porto Alegre. Anais do III Seminário Internacional e Lingüística. Porto Alegre: Gráfica Epecê, 1999. v.1. p.67-74.

______, R.M. de; KARNOPP, L.B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SANTANA, A.P. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. SP: Plexus, 2007.

SANTIAGO, N. C.O Ensino e a Aprendizagem das Ciências dos Alunos com Surdez. Monografia de Especialização Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria De Pesquisa e Pós-Graduação Especialização em Ensino De Ciências. Disponível em: <http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/4383/1/MD_ENSCIE_II_2014_66.pdf>. Acesso em: 06 de Dez. de 2018.

SILVA, C. F. e; GAIA. M. C. de M. Educação inclusiva e o ensino de ciências. Disponível em:< file:///C:/Users/MASTER/Downloads/402-1212-1- PB%20(3). pdf>. Acesso em 19 de mar. de 2019.

SKILAR, C. B. A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998. p. 38.

Publicado
2019-06-20
Seção
Artigos Acadêmicos