Aprendizagem de Língua Inglesa e o uso de estratégias: investigando a prática dos aprendizes

  • Sheilla Andrade Souza IFTM / CEFET-MG
  • Mauro Daniel Pereira Silva IFTM
Palavras-chave: Ensino de língua. Estratégias de aprendizagem. Aprendizes de língua.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar os dados coletados através de uma pesquisa de Iniciação Científica cadastrada no programa BICJR em uma instituição federal no interior de Minas Gerais. Buscou-se responder a seguinte pergunta: “quais as estratégias de aprendizagem utilizadas pelos participantes desta pesquisa?”. Partiu-se do princípio de que durante o processo de aquisição de uma Língua Estrangeira o uso de Estratégias de Aprendizagem (OXFORD, 2003) pode favorecer a aprendizagem. Oxford (2003) define estratégias como sendo comportamentos específicos, processos mentais utilizados pelos alunos para enriquecer a aprendizagem, tais como procurar falantes de LE, ou se encorajar para superar as dificuldades de comunicação. Nesse sentido, investigou-se as estratégias utilizadas pelos aprendizes com maiores e menores rendimento escolar. A metodologia utilizada foi o estudo de caso (YIN, 2010). Como resultados detectou-se que os aprendizes com maiores rendimentos fazem uso constante de Estratégias de Aprendizagem, dentre elas destacam as estratégias Sociais, Cognitivas e de Memória. Contrariamente, os participantes com menores rendimentos, não relataram fazer uso de estratégias e pontuaram dificuldades quanto à organização e o planejamento de estudo, o que configura a ausência da Estratégia Metacognitiva.

Biografia do Autor

Sheilla Andrade Souza, IFTM / CEFET-MG
Doutoranda no Programa de Estudos da Linguagem do CEFET-MG. Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade de Brasília (2013). Especialização em Métodos e Técnicas de Ensino de Língua Estrangeira pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caratinga (2003). Graduada em Letras/Inglês pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caratinga (2002). Atualmente é professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro campus de Paracatu. Desenvolve pesquisa na área do ensino de línguas para fins específicos dentro da perspectiva dos novos e múltiplos letramentos e da multimodalidade.
Mauro Daniel Pereira Silva, IFTM
Estudante do Ensino Médio no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnoloiga do Triangulo Mineiro. Bolsista do programa de Iniciação Científica BICJR na mesma Instituição. 

Referências

ALMEIDA FILHO. J.C.P. Dimensões comunicativas no ensino de língua. Campinas, SP: Pontes, 1998.

______. Lingüística aplicada, ensino de línguas e comunicação. Campinas:Pontes/Artelingua, 2005.

ELLIS, Rod. Study of Second Language Acquisition. Oxford: Oxford University Press, 1997.

ELLIS, Rod. Understanding Second Language Acquisition. Oxford: Oxford University Press, 1985.

KRASHEN, S. Second Language Acquisition and Second Language Learning. Oxford: Pergamon, 1982.

MITCHELL, R.; MYLES, F. Second language learning theories. 2nd. ed. London: Arnold, 2004.

ORTEGA, Lourdes. Understanding Second Language Acquisition. 1st Ed. Hodder Education, 2009.

OXFORD, R L. Language learning strategies: What every teacher should know. New York: Newbury House. 1990.

______, R L. Language learning styles and strategies: an overview. Learning Styles & Strategies/Oxford, Gala, 2003.

PAIVA, V.L.M.O. A complexidade da aquisição de segunda língua: revisando e conciliando teorias: Modelo da Gramática Universal. 2008b Disponível em: <http://www.veramenezes.com/aquisicao.htm>. Acesso em: 10 nov. 2011.

PAIVA, V.L.M.O. A complexidade da aquisição de segunda língua: revisando e conciliando teorias: Modelo Monitor, Hipótese do input ou da compreensão. 2008c. Disponível em: <http://www.veramenezes.com/aquisicao.htm>. Acesso em: 10 nov. 2011.

______, V.L.M.O. A complexidade da aquisição de segunda língua: revisando e conciliando teorias: Teoria Behaviorista-estrutural. 2008d. Disponível em: <http://www.veramenezes.com/aquisicao.htm>. Acesso em: 10 nov. 2011.

SCHÜTZ, Ricardo. Assimilação natural x ensino formal” English Made in Brasil. http://www.sk.com.br/sk-laxll.html. Online. 15 novembro 2006.

STERN, H H (1975). What can we learn from the good language learner?, Canadian Modern Language Review, 34, 304-318

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookmann. 2010.

WENDEN, A. RUBIN, J. Learner strategies in language learning. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall International. 1987.

Publicado
2019-06-20
Seção
Artigos Acadêmicos