Observatório de neologismos da língua portuguesa: da sala de aula para a pesquisa

  • Kleber Eckert Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS
Palavras-chave: Neologismos. Língua Portuguesa. Palavras. Ensino.

Resumo

O objetivo deste artigo é a apresentação dos primeiros resultados de um trabalho de investigação desenvolvido a partir de uma necessidade pedagógica, qual seja, a falta de opções didático-metodológicas nos livros didáticos sobre a formação de novas palavras na língua portuguesa. Trata-se de um estudo nomeado Observatório de Neologismos, cujo desenvolvimento deu-se a partir de um projeto de pesquisa executado no IFRS campus Bento Gonçalves, o qual teve, entre seus objetivos, principalmente, identificar a formação de neologismos da língua portuguesa a partir de um corpus previamente delimitado; classificar os neologismos nos dois principais subtipos: os de forma e os de sentido; identificar a presença de estrangeirismos; e identificar os processos de formação de palavras presentes nesses neologismos. Para atingir os objetivos propostos, foi feito um estudo teórico acerca do tema dos neologismos e utilizaram-se textos de três colunistas da Revista Época on-line a fim de se identificarem os candidatos a neologismos, o que se nomeou de corpus de extração. De posse das palavras que despertavam um sentimento de novidade, consultou-se o corpus de exclusão, formado por diferentes dicionários gerais da língua, a fim de se verificar se as palavras identificadas realmente podiam ser classificadas como unidades neológicas. Por fim, percebeu-se que nas palavras classificadas como neologismos, ocorrem os mesmos processos de formação pelos quais são formadas as palavras já dicionarizadas, tais como a prefixação, a sufixação, a composição, a abreviação e a acrossemia. Os resultados alcançados poderão qualificar o ensino de língua portuguesa no que se refere aos processos de formação de novas palavras.

Biografia do Autor

Kleber Eckert, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - IFRS
Professor de Língua Portuguesa e Língua Espanhola do IFRS campus Bento Gonçalves.

Referências

ALVES, I. M. Neologismo – criação lexical. 2 ed. São Paulo: Ática, 2002.

BIDERMAN, M. T. C. Teoria linguística: teoria lexical e linguística computacional. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CARVALHO, N. O que é neologismo. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CORREIA, M.; ALMEIDA, G. M. de B. Neologia em português. São Paulo: Parábola, 2012.

Dicionário Aulete Digital. Disponível em: http://www.aulete.com.br/ Acesso em: 03 de jan. de 2018.

(AUTOR) et al. Observatório de neologismos da Língua Portuguesa: relações entre ensino e pesquisa. In: Revista Philologus, ano 19, n. 57, set./dez. 2013. Rio de Janeiro: CiFEFil.

FERREIRA, A. B. de H.; FERREIRA, M. B. (Coord.) Dicionário Aurélio da língua portuguesa. 8 ed. Curitiba: Positivo, 2012.

GARCEZ, P. M.; ZILLES, A. M. S. Estrangeirismos – desejos e ameaças. In: FARACO, C. A. (Org.). Estrangeirismos: guerra em torno da língua. São Paulo: Parábola Editorial, 2001.

GARCEZ, P. M. A proposta de legislação antiestrangeirismos no Congresso Nacional do Brasil (1999-2003). In: FARACO, C. A. (Org.). Estrangeirismos: guerra em torno da língua. São Paulo: Parábola Editorial, 2001.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S.; FRANCO, F. M. de M.. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

KEHDI, V. Formação de palavras em português. 4 ed. São Paulo: Ática, 2007.

MONTEIRO, J. L. Morfologia Portuguesa. 4 ed. Campinas: Pontes, 2002

PAVIANI, N. M. S. Linguagem e práticas culturais. Caxias do Sul: Educs, 2006.

Revista Época on-line. Disponível em: https://epoca.globo.com/ Acesso em: 18 de dez. de 2017.

RIVA, H. C. A neologia fraseológica na língua portuguesa do Brasil. In: SILVA, S. (Org.). Fraseologia e Cia: entabulando diálogos reflexivos. Londrina: UEL, 2012.

Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa – VOLP. Disponível em: http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario Acesso em: 03 de jan. de 2018.

Publicado
2019-06-21
Seção
Artigos Acadêmicos