Eventos acadêmicos na monitoria de inglês como estratégia de aproximação e promoção de aprendizado significativo

Nara Nília Marques Nogueira, Gustavo Freitas Panza, Rayane Cristina Cavalcante de Menezes, Lívia Melchior Simeão Lopes, Elke Streit de Oliveira

Resumo


Esta narrativa descreve as atividades desenvolvidas por três monitores de língua inglesa do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG), Campus Betim, sob a supervisão da professora orientadora. O trabalho teve duração de um ano e foi caracterizado por um rompimento de barreiras disciplinares, tentativa de solucionar questões locais, desenvolvimento da autonomia discente e busca por novos horizontes de atuação. Dentre as atividades realizadas, destacam-se três eventos: workshop sobre fanfiction, workshop sobre música americana e workshop sobre inglês para fins acadêmicos da área de química. Os eventos promovidos pela monitoria desenvolveram nos monitores sua habilidade de se comunicar oralmente em língua estrangeira e de transmitir o conhecimento aprendido, de forma lúdica, a diferentes tipos de interlocutores, além de impulsionarem os discentes da escola a estabelecerem contato com a língua inglesa dentro e fora da sala de aula. Ademais, o terceiro workshop motivou a criação de um projeto de pesquisa no Campus Betim. Essas atividades, que não eram componentes obrigatórios do trabalho da monitoria de língua inglesa, enriqueceram o conhecimento dos monitores, da professora orientadora e da comunidade acadêmica local, bem como aproximaram todos os envolvidos do objetivo comum de dar continuidade aos estudos da língua inglesa. 


Palavras-chave


Monitores de língua inglesa; Eventos acadêmicos; Aprendizado significativo

Texto completo:

PDF

Referências


AUTOR, 2017.

AZZARI, E. F.; CUSTÓDIO, M. A. Fanfics, Google Docs...a produção textual colaborativa. In: ROJO, R. (Org.) Escol@ Conectada – os multiletramentos e as TICs. São Paulo: Parábola, 2013.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, DF, n. 253, 30 dez. 2008. Seção I, p. 1-3.

CAMPOS, T. Repensando o ensino de língua materna e línguas estrangeiras: uma proposta de atividade a partir de fanfictions. Porto das Letras, v. 02, n. 01, p. 51-72, 2016

CHETTIPARAMB, A. Interdisciplinarity: a literature review. Reino Unido: The Interdisciplinary Teaching and Learning Group, 2007.

ESTARNECK, E. A autonomia sociocultural em favor da sustentação de propósitos em aprender uma língua. In: NICOLAIDES, C.; MAGNO E SILVA, W. Innovations and challenges in applied linguistics and learner autonomy. Campinas: Pontes Editores, 2017, p. 119-148.

FAZENDA, I. (Org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

FIGUEIREDO, F. Correção com os pares: os efeitos do processo da correção dialogada na aprendizagem da escrita em língua inglesa. 2001. 340 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos / Linguística Aplicada) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 4ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

IFMG. Plano de Desenvolvimento Institucional: PDI (2014-1018). Belo Horizonte: IFMG, 2015.

LILLIS, T.; SCOTT, M. Defining academic literacies research: issues of epistemology, ideology and strategy. Journal of Applied Linguistics. v. 4, n. 1, p. 5-32, 2007.

MATTOS, A. Ensino de inglês como língua estrangeira na escola pública: letramentos, globalização e cidadania. Jundiaí: Paco, 2015.

MORGAN, B.; RAMANATHAN, V. Critical literacies and language education: global and local perspectives. Annual Review of Applied Linguistics, v. 25, p. 151-169, 2005.

MOTA, V. M. A aprendizagem móvel e a autonomia de aprendizes de língua inglesa. In: NICOLAIDES, C.; MAGNO E SILVA, W. Innovations and challenges in applied linguistics and learner autonomy. Campinas: Pontes Editores, 2017, p. 149-166.

NICOLAIDES, C.; FERNANDES, V. Learner autonomy in the light of Freire. DELTA, n. 24: esp., p. 493-511, 2008.

NORTON, B. Critical literacy and international development. Critical Literacy: Theories and Practices, v. 1, n. 1, p. 6-15, 2007. Disponível em: . Acesso em 20/09/2017.

PAIVA, V.; BRAGA, J. The complex nature of autonomy. DELTA, São Paulo, v. 24, n. spe, p. 441-468, 2008. Disponível em: . Acesso em 30/09/2017.

REGO, T.C. Ensino e constituição do sujeito. Viver Mente & cérebro – Lev Semenovich Vygotsky: uma educação dialética. Rio de Janeiro: Ediouro; São Paulo: Segmento_duetto, 2005, p. 58-67.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Traduzido por Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

STREET, B. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

LínguaTec, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil