A literatura afro-brasileira no ensino médio: uma discussão necessária.

Glaucia do Carmo Xavier, Érica Alessandra Fernandes Aniceto

Resumo


O debate na escola sobre as questões etnicorraciais se faz cada vez mais necessário. Já existem leis que tornam obrigatórias as reflexões e atividades sobre a temática em sala de aula, principalmente nas disciplinas de artes, literatura e história. No entanto, na prática, não é isso que ocorre. A Lei 10.639/03, mesmo após 16 anos de vigência, não tem sido efetivada conforme foi proposto. Pensando nisso, o Grupo de Estudos sobre Ensino e Aprendizagem de Língua Portuguesa e Literatura (GEALI), do Instituto Federal de Minas Gerais – Campus Ouro Preto, desde 2016, vem estudando e formando-se sobre a Literatura Afro-brasileira e os modos de se trabalhar o tema em sala de aula. Para complementar o trabalho que vem sendo feito pelo grupo, com a parceria de pesquisadores, professores e alunos de outras universidades e outros IFs, o GEALI desenvolveu um projeto de extensão que teve como objetivo levar para a sala de aula, de forma efetiva e sistemática, a Literatura Afro-brasileira, com o propósito de valorizar a cultura e história do povo negro, superando as desigualdades presentes na educação escolar. Para realizar o projeto, o GEALI, a partir de seus encontros mensais, criou roteiros para o trabalho dessa Literatura com turmas dos cursos Técnicos-Integrados do IFMG e proporcionou formação específica para professores do Ensino Médio de uma escola pública municipal em Mariana (MG), bem como encontros com jovens que são atendidos na Fundação de Arte de Ouro Preto (FAOP). Este relato de experiência apresenta os resultados alcançados pelo referido projeto. 


Palavras-chave


Literatura Afro-brasileira. Relações etnicorraciais. Formação de professores

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Miriam. Mulher Mat(r)iz: prosas de Miriam Alves. Belo Horizonte: Nandyala, 2011.

AMÂNCIO, Iris Maria da Costa [et al]. Literatura africana e afro-brasileira na prática pedagógica. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: história e geografia. Secretaria de Educação Fundamental. 2. ed. RJ: DP&A, 2000.

BRASIL. Lei nº. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF, 2003. Não paginado. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm. Acesso em: 20 ago. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação/Secad. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na educação básica. 2004. Disponível em http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/DCN-s-Educacao-das-Relacoes-Etnico-Raciais.pdf.

CANEN, Ana. 2006. Multiculturalismo e identidade escolar: desafios e perspectivas para repensar a cultura escolar. In: Cadernos PENESB. Rio de Janeiro/Niterói, v. 6. p. 35-47.

CARNEIRO, Suely. Gênero, Raça e Ascensão Social, Teoria e Pesquisa – IFCS, UFERJ, PPICIS/UERJ. Rio de Janeiro, 1995.

CUTI, Luiz Silva. Literatura Negro-Brasileira. São Paulo. Selo Negro, 2010.

DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura afro-brasileira: um conceito em construção. Disponível em www.letras.ufmg.br/literafro/afrodescendenciaseduardo.pdf. Acesso em 20/09/2017.

EVARISTO, Conceição. Literatura Negra. Rio de Janeiro: CEAP, 2007.

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2003.

HALL, Stuart. Identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: Editora DP & A, 2007.

MARIANA MAZZINI MARCONDES (org) [et al]. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: IPEA, 2013.

PERPÉTUA, Elzira Divina. A vida escrita de Carolina Maria de Jesus. Belo Horizonte: Nandyala, 2014.

SILVA, Franciane Conceição da (Org.). Literaturas Africanas: narrativas, identidades, diásporas. Colatina/Chicago: Clock-Book, 2016.

SOBRAL, Cristiane. O tapete voador. Rio de Janeiro: Malê, 2016.

SOBRAL, Cristiane. Só por hoje vou deixar o meu cabelo em paz. Brasília, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

 

LínguaTec, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil