O papel dos gêneros discursivos e temas relevantes na formação de técnicos em Segurança do Trabalho a partir de uma construção colaborativa

Joshua Palermo de Oliveira, Ricardo Benevides Silva de Oliveira, Alessandra Cristina Bittencourt Alcântara

Resumo


O presente artigo tem como objetivo fomentar discussões no contexto da educação profissional tecnológica federal e, a partir de um levantamento de temas e gêneros discursivos, proporcionar a elaboração de um trabalho que destaca a abordagem de Línguas para Fins Específicos (LinFE) e a visão interdisciplinar de ensino médio integrado (FAZENDA, 2003). A partir da revisão de leitura acerca de Línguas para Fins Específicos e Prática Exploratória, foi possível desenvolver a pesquisa e entrevistar professores e ex-alunos da instituição, atuantes na área de Segurança do Trabalho, com o intuito de revelar dados acerca do inglês dentro da área e orientado por estas reflexões contribuir com práticas discursivas mais comprometidas com as necessidades discentes (LIMA, S. et al., 2011). Os resultados das entrevistas feitas trazem questões importantes que discutem a multidisciplinaridade da área e a abordagem dela em uma outra língua, assim como as percepções de desenvolvimento da prática linguística e exploratória no ensino de inglês em um curso técnico integrado ao ensino médio. Por fim, a pesquisa visa, a partir dos dados, demonstrar e trazer pontos que venham orientar o ensino de inglês com ênfase em fins específicos na área de segurança do trabalho.

Palavras-chave


Inglês para Fins específicos; Segurança do Trabalho; Gêneros Discursivos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALLWRIGHT, D. Observation in the language classroom. Londres: Longman, 1988.

______________. Developing principles for practitioner research: the case of Exploratory practice. The modern Language journa,Lancaster.v.89, n.3. p. 353-366. 2005.

ARMAZÉM DE DADOS - Informações sobre a cidade do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 15 março 2017

ARROYO, Miguel G. Os jovens, seu direito a saber-se e o currículo. In: DAYRELL, Juarez; CARRANO, Paulo; MAIA, C. V. V. L.. (Org.). Juventude e Ensino Médio: sujeitos e currículos em diálogo. 1 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014, v., p. 157-203.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ____. Estética da criação verbal. Trad. Maria E. G. G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 2000. p. 279-326.

BEATO-CANATO, A.P.M; CRISTÓVÃO, V.L.L. A formação de professores de línguas para fins específicos com base em gêneros textuais. Disponível em: . Acesso em: 29 março 2017.

Brasil. Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. 239 p. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 1)

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. p. 21.

CARVALHO, K. R. R. Análise de Necessidades de aprendizagem de alunos de Língua Inglesa em um curso de Letras. the ESPecialist, vol. 33, nº 1 (45-65) 2012

CELANI, M.A.A (1988). A Educação continuada do professor. Ciencia e Cultura, vol.40/2, p. 158-163.

______. (2008) When myth and reality meet: reflections on ESP in Brazil.English for Specific Purposes, vol.27/4, pp.412-123.

______ (2005) "Introdução", in: CELANI, M.A.A; HOLMES, J. e SCOTT, M. ESP in Brazil: 25 years of evolution and reflection. Mercado das Letras/EDUC

CELANI, M.A.A.; DEYES, A.F.; HOLMES, J.L. e SCOTT, M.R. (2005). ESP in Brazil: 25 years of evolution and reflection. Mercado das Letras/EDUC.

______; Maximina M. FREIRE & Rosinda de Castro Guerra RAMOS (orgs). 2009. A Abordagem Instrumental no Brasil: um projeto, seus percursos e seus desdobramentos. Campinas: Mercado de Letras; São Paulo: EDUC, 2009. p. 35-45.

Costa, P. H. S. Leio, logo existo: a leitura e os gêneros textuais como instrumento de ação no mundo nas de inglês para o Ensino Médio. Rio de Janeiro: CEFET/RJ, 2012.

DOLZ, J., PASQUIER, A. e BRONCKART, J.-P. (1993). "L'acquisition des discours: émergence d'une compétence ou apprentissage de capacités langagières diverses?" Etudes de Linguistique Appliquée, 92.

DUDLEY-EVANS, T & M.J. ST. John. Developments in English for Specific Purpose: A Multidisciplinary Approach. Cambridge University Press. 1998.

______,Development in English for Specific Purposes: A Multidisciplinary Approach, Cambridge: CUP, 2009.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: História, Teoria e Pesquisa. 11. ed. Campinas, SP: Papirus, 2003 (1994).

GARCIA, Alexandra. “Guarda isso porque não cai na provinha”: Pensando Processos

de centralização curricular, sentidos de comum e formação docente. Revista

e-Curriculum, São Paulo, v.13, n.04, p. 751 -774 out./dez.2015 Disponível em:

.

HEMAIS, B. J. W. Práticas pedagógicas no ensino de inglês: integrando gêneros discursivos e multimodalidade. In: HEMAIS, B. J. W. (Org.). Gêneros discursivos e multimodalidade: desafios, reflexões e propostas no ensino de inglês. Campinas, SP: Pontes Editoras, 2015.

HUTCHINSON, Tom; WATERS, Alan. English for specific purposes: a learning-centred approach. Cambridge: Cambridge University Press, 1987. p. 53-63.

LIMA, Sara; MOURA, Douglas; BEATO-CANATO, Ana Paula M. Gêneros textuais e temas necessários para agir em contextos profissionais e acadêmicos na área de Biotecnologia. Horizontes de Linguística Aplicada, ano 10, n. 2, jul./dez. 2011

MACHADO, Anna Raquel; BRITO, Célia M. C. O agir de enunciadores em questionários de pesquisa. In: COUTINHO, Maria A; MIRANDA, Florencia. (Org.). Linguagem e desenvolvimento: perspectivas epistêmicas e praxiológicas. Estudos Linguísticos/ Linguistic Studies, n. especial (outubro 2008), Universidade Nova de Lisboa.

MILLER, I. K. Prática Exploratória na educação continuada de professores de línguas: inserções acadêmicas e teorizações híbridas. In: SILVA, K. A. da; et al. (Orgs.) A formação de professores de línguas: novos olhares. Campinas: Pontes, v.2, 2011. p. 319–341

NININ, M.O. & HAWI, M.M. & MELLO, D.M. & DAMIANOVIC, M.C., (2005) Questionários: Instrumentos de Reflexão em Pesquisas em Lingüística Aplicada. In: Contexturas.p91-114. Disponível em: . Acesso em: 25 fev 2017

NUNAN, D. 1999 Second language teaching & learning. Heinle & Heinle Publishers

PAIVA, V.L.M.O. O lugar da leitura na aula de língua estrangeira. Vertentes. n. 16 – julho/dezembro 2000. p. 24-29.

RAMOS, Rosinda de C. G. ESP in Brazil: history, new trends and challenges. In: KRZANOWSKI, Mark. (Org.) English for academic and specific purposes in developing, emerging and least developed countries. Canterbury: IATEFL, 2008. V. 1, p.68-83

RODRIGUES, R.L.A. (2014) “A Prática Exploratória como modo de fazer ético e profissional”, in:______. A prática exploratória na formação de professores de língua inglesa: reflexão e ética no fazer pedagógico / Renata Lopes de Almeida Rodrigues; orientadora: Inés Kayon de Miller. – 2014.

SCHAEFFER, J.-M. (2001) "Genres littéraires", in: Dictionaire des genres et notions littéraires, Encyclopaedia Universalis. Paris: Albin Miche, pp. 353-358. In: DOLZ, J. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem / Joaquim Dolz, Roxane Gagnon, Fabrício Decândio ; adaptação Joaquim Dolz e Fabrício Decândio ; tradução Fabrício Decândio e Ana Rachel Machado. - Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

TAKAKI, N. H. Leitura na formação de professores de Inglês da rede pública: a questão da reprodução de leitura no ensino de inglês. Jundiaí: Paco Editorial, 2011.

VIAN JR., O. A análise de necessidades no ensino de inglês em contextos profissionais. The Especialist (PUCSP), v. 29, p. 139-158, 2008.

TAVARES, K.C.A, BECHER-COSTA, S.B.A., FRANCO, P.P. (org.) Ensino de Leitura: fundamentos, práticas e reflexões paraprofessores da era digital. - Rio de Janeiro: Faculdadede Letras da UFRJ, 2011. p. 84-104.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores

  

 

LínguaTec, Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil