Ferramentas tácteis no ensino de Matemática para um estudante cego: uma experiência no IF Sudeste MG

Autores

  • Felipe Almeida de Mello Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Campus Rio Pomba, Rio Pomba, MG http://orcid.org/0000-0003-1256-1967
  • Jaciene Lara de Paula Caetano Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Campus Rio Pomba, Rio Pomba, MG http://orcid.org/0000-0003-2707-1274
  • Paula Reis de Miranda Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Campus Rio Pomba, Departamento Acadêmico de Matemática, Física e Estatística, Rio Pomba, MG http://orcid.org/0000-0002-8066-7467

DOI:

https://doi.org/10.35819/remat2017v3i1id2209

Palavras-chave:

Educação Matemática, Educação Inclusiva, Cegueira, Ferramentas tácteis

Resumo

Há alguns anos, uma diversidade de aprendizes ingressa nas instituições de ensino e a escola, envolvendo todo seu corpo educativo, deve buscar formas para oportunizar a todos, sem distinção, a construção de conhecimento. Este trabalho apresenta a situação de inclusão de um estudante cego congênito no curso superior de Administração de um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia mineiro e no desafiador processo de aprendizagem de Cálculo e de seus fundamentos. Esta pesquisa consiste de um estudo de caso coligado à pesquisa-ação conduzida por uma professora do curso de Licenciatura em Matemática e dois de seus alunos – futuros professores – e tem por objetivo compreender e oportunizar a construção do saber matemático pelo estudante não vidente. Ao longo do processo de estudo e acompanhamento do aluno cego, verificou-se que o aprendiz utilizava-se de um de seus canais sensoriais de aprendizagem, o sentido tato ativo, para reconhecer e significar os novos conhecimentos. Essa verificação foi entendida como uma possibilidade de confecção de materiais tácteis para a apropriação dos conteúdos matemáticos por esse e por estudantes videntes, sendo seis desses materiais apresentados neste trabalho. Descrevem-se, então, as possibilidades da construção e uso de ferramentas tácteis na aprendizagem de matemática por educandos cegos. Estima-se que este, assim como outros trabalhos, possa auxiliar docentes em sua prática pedagógica no caminho pela educação inclusiva e ampla de todos os cidadãos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Almeida de Mello, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Campus Rio Pomba, Rio Pomba, MG

Graduando em Licenciatura em Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais - Campus Rio Pomba. Experiência em docência na área de Informática. Experiência na área administrativa. Atualmente é bolsista do Programa de Iniciação Científica fomentado pela agência FAPEMIG na área de Educação Inclusiva.

Jaciene Lara de Paula Caetano, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Campus Rio Pomba, Rio Pomba, MG

Graduanda em Licenciatura em Matemática no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, Campus Rio Pomba. Bolsista voluntária em projeto de pesquisa de Iniciação Científica na área de Educação Matemática inclusiva. Bolsista no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência da CAPES em escolas da microrregião de Ubá-MG.

Paula Reis de Miranda, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IF Sudeste MG), Campus Rio Pomba, Departamento Acadêmico de Matemática, Física e Estatística, Rio Pomba, MG

Possui graduação em Licenciatura em Matemática pelo Universidade Presidente Antônio Carlos (2002), especialização em Matemática e Estatística pela Universidade Federal de Lavras - UFLA (2004) e mestrado em Ensino de Ciências e Matemática na PUC-MG (2010) e doutorado pela Faculdade de Educação da UFMG(2015). Atualmente é professora do IF Sudeste de Minas Gerais - Campus Rio Pomba e coordenadora adjunta do curso de Licenciatura em Matemática. Tem experiência na área de Educação Matemática, com ênfase em Fundamentos da Matemática e Educação de Jovens e Adultos.

Referências

ARZABE, P. H. M.; GRACIANO. P. G. A declaração universal dos direitos humanos – 50 anos. In: Procuradoria Geral do Estado de São Paulo. Direitos Humanos: construção da liberdade e da igualdade. v. 1. 1. ed. São Paulo: Centro de Estudos da Procuradoria Geral do Estado, 1998.

BORBA, M. C.; ARAUJO, J. L. Construindo pesquisas coletivamente em Educação Matemática. In: BORBA, M. C.; ARAUJO, J. L. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

BRASIL. Casa Civil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 18 jul. 2017.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial com Perspectivas na Educação Inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 18 jul. 2017.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Secretaria de Educação Especial. Parâmetros Curriculares Nacionais: Adaptações Curriculares. Brasília, 1998.

CAETANO, J. L. P.; MIRANDA, P. R.; MELLO, F. A. Estudo dos gráficos das funções quadráticas com o corpo e o espaço: uma ferramenta de ensino para educandos cegos. In: SIMPÓSIO DE ENSINO, PESQUISA, E EXTENSÃO DO IF SUDESTE MG, 9., Rio Pomba, 2016. Anais… Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, Campus Rio Pomba, 2016. p. 163.

CERQUEIRA, J. B.; FERREIRA, E. de M. B. Recursos didáticos na educação especial. Benjamin Constant. 5. ed. Rio de Janeiro: IBCENTRO, p. 24-29, 2000.

CORREA, J., MACLEAN, M. Era uma vez... um vilão chamado matemática: um estudo intercultural da dificuldade atribuída à matemática. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 173-194, 1999.

D’AMBRÓSIO, U. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

FERNANDES, S. H. A. A.; HEALY, L. Desafios associados à inclusão de alunos cegos e com baixa visão nas avaliações escolares. Escritos Pedagógicos, Santa Cruz: UESC, v. 4, p. 119-139, 2009.

______. Ensaio sobre a inclusão na educação matemática. Revista Iberoamericana de Educação Matemática, n. 10, p. 59-76, jun. 2007.

FERRONATO, R. A construção de instrumento no ensino da matemática. 2002. 126 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 57. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

______. Educação como prática da liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1967.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em educação matemática: percursos teóricos e metodológicos. 3. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1988.

IF SUDESTE MG. INSTITUTO FEDERAL SUDESTE DE MINAS GERAIS. CAMPUS RIO POMBA. Regimento Interno. IF SUDESTE MG, mar. 2011.

MELLO, F. A.; MIRANDA, P. R. O projeto “Matemática para além da visão” e a confecção de uma ferramenta táctil para educandos cegos. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA (ENEM), 12., 2016, São Paulo. Anais… São Paulo: SBM, 2016, p. 1-12.

MOLLOSSI, L. F. S. B.; MENESTRINA, T. C.; MANDLER, M. L. Dificuldades em aprender matemática: Análise de entrevistas com discentes com deficiência visual. Simpósio Educação Matemática em Debate, Joinville, v. 1, p. 280-293, 2014.

SEGADAS, C. C. V.; ROCHA, D. F.; OLIVEIRA, H. B. L.; BARBOSA, P. M. Atividades matemáticas para deficientes visuais. Rio de Janeiro: IM/UFRJ, 2015.

SILVA, F. G. Subjetividade, individualidade, personalidade e identidade: concepções a partir da psicologia histórico-cultural. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 28, p. 169-195, 2009.

TURA, M. L. R. A observação do cotidiano escolar. In: ZAGO, N.; CARVALHO, M. P.; VILELA. R. A. T. (Orgs). Itinerários de Pesquisa: perspectivas qualitativas em sociologia da educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011. p. 183-206.

Downloads

Publicado

2017-07-22

Como Citar

MELLO, F. A. de; CAETANO, J. L. de P.; MIRANDA, P. R. de. Ferramentas tácteis no ensino de Matemática para um estudante cego: uma experiência no IF Sudeste MG. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, Bento Gonçalves, RS, v. 3, n. 1, p. 11–25, 2017. DOI: 10.35819/remat2017v3i1id2209. Disponível em: https://periodicos.ifrs.edu.br/index.php/REMAT/article/view/2209. Acesso em: 5 jun. 2023.

Edição

Seção

Matemática em Contextos Técnicos e/ou Tecnológicos