GeoGebra como andaime: uma experiência na resolução de problemas de Geometria

Autores

  • Robert Allyson Cavalcante Pinto Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Gestão em Educação a Distância (PPGTEG), Recife, PE, Brasil
  • Rodrigo Nonamor Pereira Mariano de Souza Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Departamento de Computação (DC), Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Gestão em Educação a Distância (PPGTEG), Recife, PE, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35819/remat2021v7i1id4266

Palavras-chave:

Educação Matemática, Geometria, Tecnologias Educacionais, Resolução de Problemas, GeoGebra

Resumo

Apresentamos uma reflexão sobre o uso da ferramenta GeoGebra e da metodologia de resolução de problemas para ensino de Geometria Plana nos níveis fundamental e médio. Nossa proposta consiste em estimular a autonomia do discente por meio de atividades implementadas na plataforma, que chamamos de resoluções guiadas. Uma resolução guiada é uma sequência de passos ou construções geométricas que levam à resolução de um problema, que são apresentados de forma incremental, e documentados com sugestões elaboradas pelo docente. Pretende-se com esse artefato provocar no discente condições de resolver o problema de forma independente, mesmo sem suporte tecnológico. Essa abordagem difere de outras propostas baseadas na ferramenta GeoGebra que encontramos na literatura brasileira, investigada por meio de mapeamento sistemático. Nessas propostas, roteiros pedagógicos completos são apresentados aos estudantes. O principal fundamento teórico de nossa proposta está na teoria sociointeracionista de Vygotsky, na qual exploramos os conceitos de andaime e de Zona de Desenvolvimento Proximal. Avaliamos nossa proposta por meio de intervenções em laboratório de informática com vinte e seis discentes do 9º ano do Ensino Fundamental e do 1º ano do Ensino Médio de uma escola particular no município de Teresina, Piauí. Por meio da aplicação de questionários e da observação de participantes, verificamos evolução na capacidade de resolução das atividades propostas, mesmo em papel, após o uso da ferramenta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robert Allyson Cavalcante Pinto, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Gestão em Educação a Distância (PPGTEG), Recife, PE, Brasil

Rodrigo Nonamor Pereira Mariano de Souza, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Departamento de Computação (DC), Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Gestão em Educação a Distância (PPGTEG), Recife, PE, Brasil

Referências

Almouloud, S. A. A geometria na escola básica: que espaços e formas tem hoje. In: ENCONTRO PAULISTA DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 7., São Paulo, SP, 1994. Anais [...], São Paulo, 2004.

Assad, A. Usando o geogebra para analisar os níveis do pensamento geométrico dos alunos do ensino médio na perspectiva de Van Hiele. Orientadora: Luciane Grossi. 2017. 161f. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática) - Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, PR, 2017. Disponível em: http://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/2444. Acesso em: 1 ago. 2020.

Baker, R. S. Stupid Tutoring Systems, Intelligent Humans. International Journal of Artificial Intelligence in Education, v. 26, n. 2, p. 600-614, 2016. DOI: https://doi.org/10.1007/s40593-016-0105-0.

Bortoni-Ricardo, S. M. O Professor Pesquisador: Introdução à Pesquisa Qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC, versão aprovada pelo CNE, novembro de 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 10 jun. 2020.

Costa, S. R. S.; Duqueviz, B. C.; Pedroza, R. L. S. Tecnologias Digitais como instrumentos mediadores da aprendizagem dos nativos digitais. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 19, n. 3, p. 603-610, set./dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0193912.

De Bruyckere, P.; Kirschner, P. A.; Hulshof, C. D. Technology in Education: What Teachers Should Know. American Educator, v. 40, n. 1, p. 12-18, 2016. Disponível em: https://eric.ed.gov/?id=EJ1094203. Acesso em: 1 ago. 2020.

Duval, R. Ver e ensinar a matemática de outra forma – entrar no modo matemático de pensar: os registros de representações semióticas. São Paulo: PROEM, 2011.

Fiorotti, L. B. Tópicos de Geometria Plana com o Software Geogebra: Proposta de Sequências Didáticas. Orientador: Valmecir Antonio dos Santos Bayer. 2014. 50f. Dissertação (Mestrado Profissional em Matemática) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, 2014. Disponível em: http://portais4.ufes.br/posgrad/teses/tese_7684_DISSERTA%C7%C3O_Luciana%20Bahiense.pdf. Acesso em: 1 ago. 2020.

Gravina, M. A. Os ambientes de geometria dinâmica e o pensamento hipotético-dedutivo. Orientadora: Lucila Maria Costi Santarosa. 2001. 277f. Dissertação (Mestrado em Informática na Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2001. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/2545. Acesso em: 1 ago. 2020.

Hohenwarter, M. GeoGebra: ein Softwaresystem für dynamische Geometrie und Algebra der Ebene. Dissertação - Naturwissenschaftlichen Fakultät, Paris-Lodron-Universität Salzburg, Salzburg, 2002.

Hohenwarter, M.; Jarvis, D.; Lavicza, Z. Linking Geometry, Algebra, and Mathematics Teachers: GeoGebra Software and the Establishment of the International GeoGebra Institute. International Journal for Technology in Mathematics Education, v. 16, n. 2, p. 83-87, 2009.

Isotani, S.; Brandão, L. O. Como Usar a Geometria Dinâmica? O Papel do Professor e do Aluno Frente às Novas Tecnologias. In: Workshop de Informática na Escola, 7., Campo Grande, MS, jul. 2006. Anais [...]. Sociedade Brasileira de Computação: 2006, p. 120-128. Disponível em: https://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/882. Acesso em: 01 fev. 2021.

LAN, Y-J. Technology enhanced learner ownership and learner autonomy through creation. Educational Technology Research and Development, v. 66, p. 859-862, 12 jun. 2018. DOI: https://doi.org/10.1007/s11423-018-9608-8.

Leal Junior, L. C.; Onuchic, L. R. Ensino e Aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas como Prática Sociointeracionista. Bolema: Boletim de Educação Matemática, Rio Claro, v. 29, n. 53, p. 955-978, dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-4415v29n53a09.

Lorenzato, S. Por que não ensinar Geometria? A Educação Matemática em Revista, Blumenau, v. 4, ano 3, p. 3-13, 1995.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2017.

Morais, R. S. O processo constitutivo da Resolução de Problemas como uma temática da pesquisa em Educação Matemática: um inventário a partir de documentos dos ICMEs. Orientadora: Lourdes de la Rosa Onuchic. 2015. 471f. Tese (Doutorado em Informática na Educação) - Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, 2015. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/132220. Acesso em: 1 ago. 2020.

Novak, F. I. L. O ambiente dinâmico GeoGebra para o desenvolvimento de aspectos específicos da aprendizagem em Geometria segundo Raymon Duval: olhares, apreensões e desconstrução dimensional. Orientadora: Celia Finck Brandt. 2018. 149f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2018. Disponível em: http://tede2.uepg.br/jspui/handle/prefix/2641. Acesso em: 20 dez. 2020.

OECD. PISA 2015 Results: Excellence and Equity in Education. v. I. Paris: OECD Publishing, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1787/9789264266490-en.

Onuchic, L. R. Resolução de Problemas: Teoria e Prática. Jundiaí: Paco Editorial, 2019.

Pavanello, R. M. O abandono do ensino da geometria no Brasil: causas e consequências. Zetetiké, Campinas, v. 1, n. 1, p. 7-17, jan./dez. 1993. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646822. Acesso em: 1 fev. 2021.

Piaget, J.; Inhelder, B. Gênese das Estruturas Lógicas Elementares. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

PINTO, R. Geogebra como andaime: uma experiencia na resolução de problemas de Geometria. Orientador: Rodrigo Nonamor Pereira Mariano de Souza. 2019. 125f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Gestão em Educação a Distância) – Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Gestão em Educação a Distância, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2019.

Polya, G.; Conway, J. H. How to Solve It: A New Aspect of Mathematical Method. Princeton, Nova Jersey: Princeton University Press, 2014.

Polya, G. Mathematical Discovery: On Understanding, Learning, and Teaching Problem Solving. Hoboken, Nova Jersey: John Wiley & Sons, 1962.

Rego, T. C. Vygotsky: Uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petrópolis: Editora Vozes, 2013.

RESENDE, B.; LARA, I. C. M. Objetos de Aprendizagem e contribuições para Educação Matemática: mapeamento teórico de artigos acadêmicos. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, Bento Gonçalves, v. 5, n. 1, p. 11-24, 2019. DOI: https://doi.org/10.35819/remat2019v5i1id3188.

Schoenfeld, A. H. Mathematical problem solving. Cambridge, Massachusetts: Academic Press, 2016.

Vygotsky, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Wood, D.; Bruner, J. S.; Ross, G. The role of tutoring in problem solving. Journal of Child Psychology and Psychiatry, v. 17, n. 2, p. 89-100, 1976. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1469-7610.1976.tb00381.x.

Zanella, A. V. Zona de desenvolvimento proximal: análise teórica de um conceito em algumas situações variadas. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 2, n. 2, p. 97-110, ago. 1994. Diponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1994000200011&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 1 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

PINTO, R. A. C.; SOUZA, R. N. P. M. DE. GeoGebra como andaime: uma experiência na resolução de problemas de Geometria. REMAT: Revista Eletrônica da Matemática, v. 7, n. 1, p. e2002, 1 fev. 2021.

Edição

Seção

Educação Matemática