Clube de Xadrez – IFRS Câmpus Sertão – 2015

  • Wilian Sachser Doring Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Sertão
  • Pablo Patricio Araldi Zorzi Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Sertão
  • Luiz Valerio Rossetto Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Sertão
Palavras-chave: IFRS, Alunos, Xadrez

Resumo

O Projeto (Clube de Xadrez – IFRS Câmpus Sertão – 2015) é desenvolvido com alunos do 1º ao 9º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamental Engº Luiz Englert e tem como objetivo principal a melhoria de raciocínio lógico e conduta. No fim de minha graduação surgiu a dúvida de qual ramo seguir: ser professor na área ou seguir a carreira de T.I. e uma delas é ser professor na área, ou seguir carreira de T.I, Como sou enxadrista desde os 8 anos, surgiu a bolsa para esse fim, o qual me inscrevi e fui selecionado para conduzir o projeto, que tem como objetivos instruir o maior número possível de alunos a praticar xadrez para que eles desenvolvam maior raciocínio lógico, nível de concentração e melhorem sua conduta em sala de aula. As aulas de xadrez iniciaram com aulas teóricas, explicando a história do xadrez, regras, jogadas conhecidas e aberturas, depois desse processo passou-se as aulas práticas, colocando os alunos a jogar entre si com supervisão, posteriormente foi colocado os jogadores contra o instrutor para que fosse possível ser avaliado de forma precisa, para que seja avaliado o andamento dos alunos de forma precisa. Contudo resultados, observa-se que crianças de 1 a 3º já reconhecem as peças, organizam as peças e conseguem jogar sozinhos. Já do 4º ao 5º ano o desenvolvimento foi maior, os alunos já conseguem anteceder jogadas, visualizar ataques e se defender, características de jogadores de nível básico. De 6º a 9º ano o nível dos jogadores é equivalente ao de 4º e 5º ano, mas como a idade é maior, conseguem desenvolver de forma mais rápida as jogadas, mas com níveis de raciocínio idênticos. Alunos que eram denominados “hiperativos” conseguem desenvolver as atividades, havendo evolução visível sobre atenção e conduta dos alunos.

 

Publicado
2015-11-30