Trilha ecológica no Campus Ibirubá como ferramenta para a Educação Ambiental

  • Daiane Budke Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Ibirubá
  • Sabrina Heuert Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Ibirubá
  • Suzana Ferreira da Rosa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Ibirubá
Palavras-chave: Preservação Ambiental, Conhecimento Ecológico, Trilhas Interpretativas

Resumo

O uso de trilhas ecológicas tem contribuído muito com a conservação ambiental, pois permite o contato direto com a natureza. Este contato, do ser humano com fauna e flora, permite a transformação do conhecimento promovendo um caráter mais preservacionista. Portanto é necessário, cada vez mais, o uso de ações que favoreçam a preservação ambiental, que promovam a consciência dessa necessidade nas gerações mais jovens, as quais serão responsáveis pela transformação do modo de vida. O objetivo principal do projeto foi à construção de uma trilha ecológica em um fragmento florestal, localizado no IFRS Campus Ibirubá. A trilha ecológica objetiva proporcionar uma atividade recreativa e educativa no âmbito da conservação ambiental para crianças e adultos da região. Inicialmente foi realizada uma pesquisa abrangente no município e entrevistas com moradores antigos. Posteriormente foram realizadas expedições à mata, para se delimitar o percurso e fazer a limpeza da trilha, bem como a identificação das principais espécies arbóreas e animais presentes no local. Do resgate histórico e entrevistas, foi possível entender a importância sobre a relação da antiga composição vegetal com a atual, também se pode observar que ao longo dos anos, principalmente a partir da década de 20, o crescimento das habitações e comércios foi intenso, com isso a composição florestal originária começou seu declínio, tendo iniciado com a exploração madeireira. A partir dos anos 40, com a forte mecanização da agricultura as florestas passaram a se tornar mais escassas, dando lugar para extensas lavouras. Com as visitas à mata foi observado, através da estrutura da floresta, que o local já passou por intervenções humanas, no entanto ainda apresenta rica composição, com diversas espécies de grande porte como a Grápia (Apuleia leiocarpa), Caroba (Jacaranda micranta), Canjerana (Cabralea canjerana), Canela preta (Nectandra megapotamica), Canela lajeana (Ocotea pulchella), Cedro (Cedrela fissilis). No ambiente de mata espécies animais ocorrem associadas à vegetais que lhe fornecem alimentos, e os animais contribuem para a manutenção dos vegetais através da dispersão de sementes, como é o caso da gralha azul (Cyanocorax caeruleus), jacu (Penelope ochrogaster), veado campeiro (Ozotocerus bezoarticus), quati (Nasua nasua). O projeto encontra-se em andamento, as próximas ações se referem à visitação da trilha, juntamente com a avaliação dos visitantes. A construção da trilha ecológica é um meio de preservação do ambiente, visto que as áreas de mata da região foram significativamente antroporizadas ao longo dos anos, com a retirada de arvores de grande porte e importância como o tarumã (Vitex megapotamica) angico vermelho (Paraptadenia rigida) e guajuvira (Cordia americana), com isso o conhecimento passado aos visitantes irá fazer com que vejam a importância da preservação ambiental para as gerações futuras e repassem o conhecimento adquirido, mudando o antigo pensamento de desmatar para evoluir.

Publicado
2015-11-30